Chegou ao fim a primeira prova Challenger Series de 2021, o US Open of Surfing Huntington Beach, em ondas de meio metro com fraca qualidade.

Os melhores portugueses em prova foram Yolanda Hopkins e Vasco Ribeiro, que terminaram em 9º e 17º lugar respectivamente, sendo eliminados por surfistas que acabariam por chegar à final ou, no caso de Yolanda, pela eventual vencedora.

Caitlin Simmers surgiu neste evento como um pequeno furacão, derrotando ainda Sara Wakita e Courtney Conlogue, a caminho da final onde encontraria outra jovem surfista cheia de potencial, Gabriela Bryan. Foi a havaiana que despachou algumas das mais “pesadas” adversárias, como a campeã mundial júnior Vahine Fierro, Caroline Marks e Coco Ho. No entanto, na final Caitlin mostrou todo o seu potencial, surfando bem as secções do outside e usando a sua leveza para “planar” até às secções do inside com velocidade para encaixar mais manobras fortes, aparentemente sem grande esforço. Apesar dos seus 15 anos, é muito provável que se consiga qualificar para o CT de 2020, entrando em disputa com Caroline Marks pela qualificação mais precoce da história do tour.

A categoria masculina foi ainda mais competitiva. Kanoa Igarashi parecia focado e em vencer o seu terceiro US Open e a primeira meia final foi contra o seu adversário numa das finais, Griffin Colapinto. No entanto foi mais um heat em que se viu que, com condições tão “marginais”, a sorte e a estratégia valem mais que o surf. Não que Griffin não tenha surf para bater Kanoa, mas neste heat o local de San Clemente capitalizou cedo com duas ondas bem completas, enquanto que Igarashi arriscou muito na sua primeira e, ao não completar um aéreo de backside abusado, acabou por passar a bateria toda a correr atrás do prejuízo sem ondas a entrar, sendo assim eliminado. Do outro lado da grelha vinha o surfista que eliminou Vasco Ribeiro por muito pouco, Jake Marshall. Este norte-americano em 2019 chegou à perna havaiana do tour dentro da bolha de qualificação mas os eventos não lhe correram bem e acabou por ficar de fora e, mais ao menos na mesma altura, perder o patrocínio principal. Jake vinha inspirado para mudar a sua história mas, mesmo tendo surfado muito bem, ficou a precisar de uma nota alta, o que garantiu a Griffin Colapinto a sua primeira vitória no circuito QS!

O circuito segue agora para Portugal, onde se realiza o MEO Vissla Pro Ericeira, prova Challenger Series, entre 2 e 10 de outubro.

Comentários