O derradeiro dia do Allianz Ericeira Pro começou com ondas bem típicas das provas em Ribeira D’Ilhas e foram as melhores surfistas portuguesas quem abriu as “hostilidades”.

Carolina Mendes abriu com duas ondas muito fortes para dominar o heat, deixando Teresa Bonvalot num próximo segundo lugar, eliminando Beatriz Carvalho e Maria Chaves. De seguida Carina Duarte e Francisca Veselko garantiram as suas vagas nas meias finais de duas surfistas ao eliminar Camilla Kemp e Maria Dias.

Nas meias finais Francisca Veselko e Teresa Bonvalot eliminaram Carolina Mendes e Carina Duarte, garantindo assim uma final entre as duas primeiras classificadas do ranking.

Do lado masculino, os quartos de final começaram com uma vitória de Frederico Morais sobre Tomás Fernandes, seguido de Francisco Mittermeyer, que mais uma vez bateu Joaquim Chaves. João Moreira parecia estar pronto para atacar a liderança do ranking, sendo o único do top8 ainda em prova, mas João Mendonça foi mais forte e venceu mais uma bateria. Para terminar a fase Halley Batista eliminou o regressado Luca Guichard que, mesmo assim, mostrou que se mantém em grande forma.

Depois de uma paragem de algumas horas enquanto a maré vazava, a prova voltou com uma disputa entre Frederico Morais e Francisco Mittermeyer nas meias finais. Este confronto lembrou a final desta prova em 2005, quando Morais, na altura um surfista júnior em ascensão, competiu contra Tiago Pires, o expoente máximo do surf nacional na época. Desta vez a situação estava invertida, Frederico é o grande nome do surf nacional na actualidade e Mittermeyer o surfista em ascensão. Francisco surfou bem no início do heat, agarrando a liderança mas o mais estabelecido acabou por se sobrepor, avançando para a final. A segunda mais final juntava treinador e pupilo, Halley Batista contra João Mendonça, que já tinha batido o seu coach por duas vezes nesta etapa. Mas neste heat foi Halley quem dominou, abrindo o heat com uma onda de 8 pontos e, apesar de João ter respondido com uma nota de 7, rapidamente o seu requisito aumentou, já que Batista fez de seguida uma onda de 8.5 pontos, deixando Mendonça a precisar de uma nota 9.5 pontos, algo que não conseguiu, terminando a sua prestação em 3º lugar.

Na final feminina Teresa Bonvalot começou muito forte, com duas ondas consecutivas onde conseguiu notas de 7.60 e 8.25, deixando Francisca Veselko, que já tinha feito um 6.25 e ficou a precisar de 9.6 durante quase 20 minutos. A situação não mudou até ao fim, o que permitiu que Teresa defendesse a sua liderança no ranking.

Frederico Morais era o grande favorito a vencer a final masculina, mas sabia que não podia dar muito espaço Halley Batista, que estava muito inspirado nesta etapa. Foi uma bateria muito disputa, a meio do heat Morais tinha uma onda de 7.25 a contar e Halley uma de 5.50 como mais alta mas na troca de ondas seguinte o surfista residente no Algarve teve mais secções com que trabalhar e equilibrou a disputa com uma nota de 7.1 pontos, ficando a precisar de 6.66 para virar o resultado a seu favor. Mesmo no fim do heat ambos fizeram ondas boas e Halley fez o requisito, garantindo 7.3 deixando Morais a precisar de 7.16 na sua última onda. Apesar de ter feito duas manobras fortes no outside, o inside não o favoreceu e a nota saiu abaixo do seu requisito, o que garantiu a Batista a vitória e a liderança no ranking.

Notícia em actualização…

Comentários