Vencer na Liga MEO Surf é um feito reservado a uma pequena elite entre melhores surfistas do nosso país. Este que é um dos circuitos nacionais de surf mais fortes do planeta tem cada vez mais sido usado como um “campo de treinos” para provas QS e nos últimos 9 anos apenas 12 surfistas diferentes venceram as 45 etapas realizadas.

O circuito é tão competitivo que uma mão cheia de surfistas, como Miguel Blanco, mostraram grande potencial durante vários anos até quebrarem o “bloqueio”. No entanto, mesmo antes de ter vencido neste circuito, Miguel construiu uma carreira competitiva digna de nota, com diversos resultados impressionantes de onde se destacam uma vitória no circuito Pro Junior Europeu, um 2º lugar numa prova QS em Zarautz, três presenças como wildcard numa prova do Championship Tour, um recente 5º lugar no Martinique Surf Pro e diversos títulos nacionais entre as categorias sub12 e sub18.

Fica a conhecer o percurso do mais dominante surfista da actualidade na Liga MEO…

Em 2012 a geração de Miguel Blanco começou a dominar a Liga MEO Surf.

Miguel competiu pela primeira na Liga em 2009, terminando em 20º lugar, apesar de não ter participado em todas as etapas. No ano seguinte, ainda com 14 anos fez a sua primeira final no circuito, terminando em 4º lugar na Figueira da Foz, uma prova vencida por Justin Mujica. Aí entrou para o top16, acabando o ano em 12º lugar. Desde aí até aos dias de hoje foi top16 da Liga todos os anos, excepto em 2016, ano em que só competiu em três das cinco etapas do circuito.

Entre a sua primeira final e o ano de 2015 fez mais 2 finais, tendo ficado em 2º lugar no Montepio Peniche Pro de 2013 e no Sumol Porto Pro de 2015, ambas vencidas por Frederico Morais.

2016 foi um ano mais dedicado a viagens e provas QS, mas em 2017 voltou em força ao circuito e apesar de ter faltado a uma etapa ficou perto do título nacional. Miguel foi segundo no Figueira Pro contra Pedro Henrique, e ainda no Allianz Sintra Pro e Bom Petisco Cascais Pro, ambas etapas vencidas pelo eventual campeão do circuito, Vasco Ribeiro.

Em 2017 ficou muito perto de vencer três etapas.

Em 2018, depois de alguns resultados fortes no QS, que o colocaram dentro do top50 do circuito, Blanco chegou ao Allianz Ericeira Pro como um dos favoritos à vitória. Ao longo da prova fez algumas das melhores médias de cada fase e a nota mais alta de todo o campeonato, deixando cair pelo caminho da final nomes como Eduardo Fernandes e João Guedes, para encontrar Gony Zubizarreta no último heat da prova. Em condições no limite do que é possível surfar em Ribeira D’Ilhas Miguel saiu vencedor e passou para a liderança do circuito. Depois de grande disputa com Gony, Miguel venceu a última etapa do ano, ficando com o título nacional enquanto que o Galego ficou com o título da Liga MEO Surf. Pouco depois garantiu o seu segundo wildcard para o MEO Rip Curl Pro Portugal, o que reafirmou a sua posição como um dos melhores surfistas portugueses da actualidade.

O ano de 2019 começou com um terceiro lugar no Allianz Ericeira Pro, seguido de um segundo, atrás de Gony Zubizarreta no Allianz Figueira Pro, um quinto no Renault Porto Pro e uma vitória no Allianz Algarve Pro.

Na última etapa da Liga de 2019, Miguel precisava de garantir um lugar na final e esperar que Tomás Fernandes quebrasse a sua consistência. Foi o que aconteceu pois o surfista da Ericeira acabou eliminado no round 2.

Miguel Blanco conseguiu manter o foco e depois de vencer nos rounds 1 e 2, passou em segundo no round 3 para garantir uma vaga nos quartos de final, uma bateria que, se perdesse, perdia o título. Foi Miguel quem levou o heat, com duas ondas com manobras fortes, mantendo-se na disputa por um título que seria seu se passasse a sua próxima bateria.

Nas meias finais tinha João Kopke como adversário e os dois mostraram muito bom surf mas Miguel Blanco foi um pouco superior, vencendo uma das baterias com médias mais altas do dia e sagrando-se campeão nacional pelo segundo ano consecutivo, desta vez com o título da Liga MEO Surf a acompanhar!

Comentários