Quando Taylor Steele lançou a sua primeira grande produção, Momentum, toda a indústria mudou e um pequeno grupo de surfistas que já eram destaques a diversos níveis ganharam estatuto de ícones do desporto. Taylor seguiu o sucesso do primeiro filme como uma série de outras grandes produções como Momentum II, Focus, Good Times, The Show e mais. E, apesar de ter conseguido captar o melhor surf de muitos dos melhores surfistas dessa geração, alguns ficaram de fora. Fica com uma selecção dos melhores contemporâneos da “Geração Momentum” que pouco ou nada apareceram nos filmes de Steele.

Shane Beschen
Slater e Beschen nasceram no mesmo mês e no mesmo ano competiram várias vezes nas categorias juniores. Em 1992 Slater venceu o título mundial o que ofuscou quase por completo a vitória de Shane na prestigiosa Bud Tour, uma espécie de circuito nacional norte-americano disputado em provas QS. Aos poucos e poucos Beschen foi subindo no ranking chegando a disputar o título com Slater, sendo um dos mais sérios candidatos a quebrar a “hegemonia” do seu conterrâneo. Até aos dias de hoje o californiano é “dono” de um estatuto único no tour, o feito de ter conseguido fazer três notas 10 (e um 9.9) numa só bateria. Esse momento histórico durante o Billabong Kirra Pro de 1996, uma época em que ainda contavam as três melhores notas de cada bateria. Além de ser extremamente competitivo, Shane também enchia o olho no free surf, graças a um approach progressivo, manobras de rail e boas capacidades nos tubos. No entanto, por alguma razão, pouco ou nada apareceu nos filmes de Taylor Steele, o que nunca ajudou a sua popularidade. Recentemente Shane voltou a competir e sagrou-se vice-campeão mundial de Masters nos Açores e continua ligado ao surf e a ser um dos destaques na água.

 

 

Shane Powell
Não podemos dizer que o australiano Shane Powell foi completamente esquecido por Taylor Steele pois no Momentum I teve algumas ondas registadas e no II teve uma secção só sua. Mas, apesar de, como Shane Beschen, ter disputado o título mundial com Slater, a sua presença nos filmes de Taylor foi diminuindo gradualmente, acabando por desaparecer totalmente. Powell era considerado como uma das respostas do Down Under a Kelly Slater e em 1994 levou a disputa pelo título até Pipeline, tendo perdido o título por pouco mais de 400 pontos. Shane manteve o ritmo durante mais alguns anos mas nunca mais ficou tão perto do título. Em 1997 venceu uma de duas etapas portuguesas do Championship Tour, o Figueira Pro, batendo na final Rob Machado. Com o passar dos anos a sua carreira seguiu o mesmo destino da sua presença nos filmes de Taylor, foi desaparecendo, até que acabou. Eventualmente Shane começou uma nova carreira como pescador, além ser proprietário de um pequeno hostel na sua terra natal de Yamba.

 

 

Chris Brown
O recém falecido Chris Brown é mais um surfista que pouco ou nada apareceu nos filmes de Steele. Apesar do seu sucesso competitivo nos anos 90 apenas ter sido superado por Slater e Machado (dentro da geração Momentum), Brown também não teve acesso a esse boost na sua carreira, apesar de ter sido destacada em quase todas as outras produções independentes produzidas na Califórnia.

 

Comentários

Os comentários estão fechados.