Com o passar dos anos e das gerações é cada vez mais vulgar ver sobrenomes bastante conhecidos a dar que falar no surf mundial.

Isso porque as primeiras gerações de surfistas profissionais são quem começa a introduzir as suas “crias” mais cedo no desporto e os resultados estão à vista. No WCT temos neste momento o primeiro top do WCT de segunda geração, Kolohe Andino que é filho de Dino Andino, um nome fortíssimo do tour nos anos 90.

Miguel Pupo poderia ter sido o primeiro mas o seu pai, Wagner Pupo, “apenas ficou à porta” do (na altura) top44 nos anos 90. Mais exemplos não faltam, o pai de Filipe Toledo, Ricardo Toledo, foi campeão Brasileiro profissional na mesma época. Mason e Coco Ho são filhos do mítico Mike Ho, ex-top 5 do circuito (pré-ASP), Noah Beschen é filho de Shane, ex-líder do WCT, Ian Gouveia é filho do mítico Fábio Gouveia, e mesmo em Portugal temos Afonso Antunes, filho de João Antunes, a mostrar potencial para chegar muito longe!

Jay Occhilupo é mais um filho de um surfista conhecido que viu o seu talento reconhecido, neste caso pela Billabong, que acabou de o juntar à equipa. Nesta caso foi mais uma questão de oficializar este reconhecimento pois Jay praticamente “nasceu” na marca.

Mark “Occy” Occhilupo, seu pai, é patrocinado pela marca há mais de 30 anos, tendo ingressado na equipa aos 14 anos e permanecido até hoje, com 47 anos. Um dos objectivos do pequeno Jay é bater os recordes do seu pai, que conta com 14 vitórias no tour e um título mundial. Para já este filho mais velho de Occy parece estar a conseguir pois entrou para a equipa aos 11 anos, três anos mais cedo.

Curiosamente, apesar de ter herdado muito do talento do pai, Jay é regular ao contrário de Occy que é considerado um dos melhores (senão o melhor) goofies de todos os tempos. É caso para dizer que “filho de peixe, sabe nadar”!

Comentários

Os comentários estão fechados.