Director da ASP com a “cabeça a prémio” no North Shore?

publicado há 2 anos por 0

TROUBLE-IN-PARADISE

Tudo começou no Inverno de 2011. Depois de uma discussão dentro de água entre TJ Barron e Makua Rothman, o culminar de alguns anos de desentendimentos, os havaianos decidiram resolver as suas diferenças na areia. As versões do que se seguiu dividem-se mas encontram-se no final. Uma delas indica que houve uma luta e que TJ ganhou, seguindo para a casa da Billabong , marca que o patrocina, no North Shore. A outra “conta” que nem houve “fight”, e que Barron simplesmente se escondeu de Rothman na casa.

Ambas as versões relatam um cerco da casa pelos Rothman, Makua e o seu pai “fast” Eddie, e mais alguns locais. No fim ficou decidido que os dois jovens surfistas iriam resolver as suas diferenças “a bem”, com os punhos, e a coisa ficaria resolvida “island style”. No entanto, durante o cerco, o (na altura) vice-presidente da Billabong, Graham Stapelberg, tentou apaziguar a situação e (consta que) levou uma série de “galhetas” na cara. Outra certeza é que Eddie Rothman avisou Stapelberg que se o seu filho fosse despedido da RVCA, marca que o patrocinava há alguns anos e que a Billabong tinha comprado no ano anterior, estaria em grandes sarilhos.

Entretanto Graham Stapelberg saiu da Billabong e assumiu a posição de Director de Estratégia (Chief Strategy Officer). Ora bem, uma das estratégias da nova ASP para 2014 foi diminuir o número ridículo de surfistas havaianos no Pipe Masters (16), uma situação forçada pela comunidade local que não só abria uma excepção no circuito como prejudicava todo e qualquer surfista que chegasse a pipeline a precisar de um resultado para se manter no tour, ou mesmo a disputar um título.

De 16 os wildcards passaram para a 2, como acontece em qualquer outra parte do mundo, mas os “nativos” não estão nada contentes. Um desses “nativos” (que no fundo nasceu no continente e é judeu) é o perigoso Eddie Rothman, pai de Makua, que há uns meses mostrou o seu descontentamento em vídeo (ver vídeo abaixo).

O que quer dizer que neste inverno Graham não irá ser recebido com o tal espírito “aloha”. Alguns entendidos na matéria até aconselharam Stapelberg a faltar a esta temporada havaiana, mas a ASP arranjou outra solução, seguranças. Aparentemente o Chief Strategy Officer irá andar pelo north shore com as suas “sombras”, para evitar um ajuste de contas, mas será que os seus amigos o acompanham também quando estiver a surfar?

Comentários