Tiago Pires fala sobre a sua vitória na Liga MOCHE | Mini-Entrevista

publicado há 2 anos por 0

TIAGO-PIRES-MINI-ENTREVISTA-LIGA-MOCHE

Seria possível derrotar o melhor surfista português de todos os tempos na onda que melhor conhece? Essa era a questão que tinha sido colocada há várias semanas quando Tiago Pires garantiu a presença na primeira etapa da Liga MOCHE, o Allianz Ericeira Pro by Ericeira Surf & Skate. A resposta foi dada no último heat da prova e Saca manteve o seu estatuto em Ribeira D’Ilhas, batendo Frederico Morais nas meias-finais e Vasco Ribeiro na final. Minutos depois da entrega de prémios, Tiago reservou-nos uns minutos para falar da sua vitória.

Tiago, foram muitas vitórias nesta praia ao longo de muitos anos de competição, ainda sabes de cabeça todos os teus resultados importantes?
Sim, foram duas etapas do nacional, com esta três, três pro-juniores seguidos e dois WQS’s.

A nova geração está cada vez mais forte, estavas confiante ou reticente em relação a uma vitória nesta etapa?
Acho que a minha abordagem foi como se fosse um WQS, sabia que tinha de dar o meu melhor e competir com tudo o que tenho e foi o que fiz. Já não dá para dar mole com esta geração, eles são todos bons surfistas e os scores que eles fizeram provaram isso mesmo! Acho que a minha experiência falou um bocado mais alto também, saber escolher as ondas boas nas alturas certas apesar de ter feito alguns erros que podiam ter custado caro. Foi um campeonato bastante bom, com um nível muito forte, dá gosto ter um campeonato nacional com este nível.

Sentiste que eles puxaram por ti?
Sim, bastante. Peguei numa prancha em casa que já não surfava quase há um ano, se calhar não tinha o meu material preferido, ou mais indicado mas não foi isso que fez a diferença. Hoje em dia tenho de surfar no meu melhor nível para lhes ganhar.

Houve algum heat que se tenha destacado para ti?
Não, acho que fiz um surf parecido em todos os heats. Acho que a meia final com o Kikas foi o heat mais difícil, sem dúvida. Ele está fortíssimo, veio agora da Austrália e vê-se que o nível dele deu um toque. É um surfista que conhece bem Ribeira e tem um estilo de surf parecido com o meu mas mais new school. Ele saber o valor que um bom carve tem e o que é surfar de rail por isso sabia que ia ser o heat mais complicado. Também o Vasco fez uma meia final muito forte, por isso estava em forma!

É uma praia onde ainda fazer surf com regularidade?
Sim, faço muito surf aqui, é uma praia que dá ondas quase todos os dias do ano. Proporciona sempre bons momentos, é uma onda longa, com muito potencial. Mas não faço tanto surf como antigamente fazia, tenho uma abordagem diferente em relação aos meus free surfs. Faço menos surf mas com mais intensidade, se calhar com mais qualidade, tenho de gerir também a minha vida privada fora do surf.

O que achas da Liga MOCHE como circuito hoje em dia em comparação ao tempo que competias nele com mais regularidade?
Mudou bastante, acho que o Francisco Rodrigues e o Francisco Morgado têm feito um excelente trabalho. Vê-se que as marcas que apoiam o surf nacional são grandes marcas e isso traduz-se no excelente trabalho que eles têm feito. Um pouco à semelhança do que está a fazer o Francisco Spínola com os campeonatos mundiais e isso tem puxado imenso pelo surf nacional. Estou muito contente que sejam eles, antigos surfistas competidores a levarem este projecto adiante.

Comentários