De acordo com a seguinte informação cedida pela Associação Nacional de Surfistas, os line ups nas praias portuguesas deviam estar completamente vazios.

Por consulta junto da Autoridade Marítima e Delegação de Saúde, em termos práticos, informamos todos os surfistas de que a definição de “aglomerado de pessoas” passa agora para “2 pessoas”. Além disso a liberdade de circulação passa para “nas imediações da residência” (curta duração). Assim sendo, apelamos ao estrito cumprimento destas disposições onde deve imperar a segurança e o bom senso. Para todas e quaisquer situações aqui não enquadráveis, o surf está interdito e sujeito a penalizações pelas forças de segurança (onde se inclui a Polícia Marítima, PSP, GNR e Polícia Municipal) e sujeito ao quadro legal de crime de desobediência.”

Mas, analisando imagens captadas pelas sites de cameras, algumas praias não estão totalmente “libertas de crowd”. Praias como Matosinhos, no Porto, Carcavelos, São Pedro do Estoril e Costa da Caparica, no centro, são algumas das que mais surfistas tiveram na água durante o dia de hoje apesar de, mesmo essas, apenas terem tido uma mão cheia de surfistas. Teoricamente nem toda a gente poderá ter estado em incumprimento já que esses são alguns dos picos mais “urbanos” do país e quem mora perto pode alegar que está a surfar nas “imediações da residência”, o que é permitido.

No entanto, de um modo geral, aparentemente não são propriamente os surfistas portugueses quem mais está a falhar. Muitos estrangeiros que estão de visita no nosso país têm aproveitado o civismo dos locais para surfar picos onde normalmente não conseguem apanhar as melhores ondas. É o caso de vários estrangeiros na Ericeira, que até têm brincado com a situação nas redes sociais e também na Linha do Estoril, entre outros locais. Para os cumpridores fica apenas a recompensa de saberem que estão a fazer a coisa certa e esperança de que as autoridades também o façam e lidem com quem não está a cumprir.

#stayhome

Comentários

12 comentários a “Será que os surfistas portugueses estão a cumprir a interdição?”

  1. Tiago diz:

    La esta os estrangeiros não respeitam nada nem ninguém!!Respeitem portugal e os portugueses!!!

  2. Joana pais diz:

    Se não se pode surfar, pq é que as câmaras continuam ligadas? peçam para as desligarem e ajudam a evitar tentações (e perseguições) desnecessárias 😉

  3. João Q. diz:

    Não, não se pode. Está interdito. Está aqui o artigo que fala sobre isso.

    https://trendy.pt/2020/03/estado-de-emergencia-surf/

    Fiquem em casa.

  4. Alexandre diz:

    Vivo em frente ao mar e caso queira surfar sozinho e caso alguém apareça, eu saio e deixo de surfar, posso? Apenas pergunto pois dizem que podemos correr sozinhos na nossa área e poucas distâncias ou andar de bike. Qual a diferença? Só curiosidade. Tenho cumprido e não vou para a água. Compreendo a necessidade, mas há coisas muito mal explicadas.

    • Ola Alexandre. É sem dúvida uma boa questão, que não sabemos responder. O melhor nesta fase é segurarmos todos um bocadinho a vontade de surfar e voltar quando a situação melhorar…

    • Bruno diz:

      Não é difícil perceber Alexandre. Tu vais, eu chego depois e gosto do que vejo e também vou, a seguir chegam umas caravanas com estrangeiros e somos dez. E agora? Sais tu da água? Vou eu? Quem decide? Andamos à chapada? Pois…

      • É isso Bruno. Está na hora de todos deixarmos a pica (e o egoísmo) temporariamente de lado e pensarmos no bem de todos. #stayhome

        • Bruno Cabecinha diz:

          Há ainda outra questão que normalmente ninguém pondera. No outro dia em Aljezur uma alemã que furou a quarentena de vários países para aqui chegar na sua caravana, foi ao surf e partiu uma perna. Lá vieram os bombeiros, ambulâncias etc … uma série de recursos afectos à uma situação que não devia ter acontecido e que só ocorre por puro egoísmo. Claro que os profissionais que a assistiram só não lhe chamaram mãe, com toda a razão, diga-se. Juízo, Saúde e sorte, é o que desejo a todos.

          • É mesmo, Bruno. Muitos portugueses não estão a cumprir mas os estrangeiros aparentemente são quem mais está a abusar. Multas bem pesadas resolviam parte do problema…