12 heats marcantes de Tiago Pires no WCT | Parte 3

publicado há 3 anos por 0

12-heats-de-tiago-pires-3

Tiago Pires será para sempre lembrado no surf português por ter sido o primeiro a deixar a sua marca no surf profissional. Actualmente continua a escrever a sua história, que ainda poderá ter grandes momentos pela frente. Para trás ficaram outros tantos, dos quais a ONFIRE fez uma selecção entre os que considerou mais marcantes até hoje.

2010

– Billabong Pro Tahiti – Round 4 VS Dean Morrison

Apesar das condições estarem muito abaixo do que se espera em Teahupoo, a edição de 2010 do Billabong Pro Tahiti foi marcante por várias razões. Para os portugueses destacou-se por ter sido o ano em que Tiago Pires conseguiu o seu melhor resultado, um 5º lugar. De facto, pelo surf que fez ao longo do evento, ninguém ficaria espantado se tivesse vencido o evento. No entanto, quem venceu foi Andy Irons. Seria a sua última vitória, meses antes de falecer.

Saca começou o campeonato com uma vitória no round 1 sobre Taj Burrow e Tuamata Puhetini. O seu grande momento foi no round 3, contra Dean Morrisson. O “dingo” australiano é mais conhecido pelas suas performances em point breaks de direita, mas nos tubos, para qualquer lado, também sempre foi um duro adversário. Ambos deram longos tubos em ondas pequenas e pesadas em “chopes”, mas Tiago foi o claro vencedor. No round 4 vencia novamente, desta vez eliminando o competitivo Adriano de Souza. CJ Hobgood foi o seu “carrasco”, eliminando o português em condições bastante deterioradas nos quartos de final.

2011

– Quiksilver Pro – Quartos de final VS Matt Wilkinson

Tiago chegou à Austrália com o seu contrato, recentemente assinado com a Quiksilver, ainda a cheirar a tinta. E a mudança parece ter-lhe dado muita confiança pois o “internacional português” fez o que foi o seu melhor arranque de sempre. Snapper Rocks mais uma vez não estava épico mas tinha boas ondas e as curvas de rail de Saca estavam impecáveis. Foi a surfar de rail que venceu o seu heat do primeiro round, conta os goofies Jadson André e Damien Hobgood.

No round 3 bateu Jadson André mas na quarta fase perdeu o acesso directo aos quartos de final, tendo de disputar a vaga com Michel Bourez para lá chegar. Já nos quartos de final apanhou pela frente um Matt Wilkinson a fazer o campeonato da sua vida. O colorido australiano parecia ter encontrado o seu equilíbrio e surfava como nunca, soltando o tail de backside sempre que apanhava uma secção mais levantada e abusando das rasgadas quando não havia parede. Mas Tiago Pires estava imparável e fez um heat brilhante, conseguindo assim a vitória. Nas meias finais Saca tinha pela frente Kelly Slater, que começou com duas ondas excelentes e venceu a bateria e o campeonato.

– Rip Curl Pro Bells Beach – Round 3 VS Damien Hobgood

Tiago Pires conseguiu arrastar para Bells o seu ritmo do evento anterior e logo na segunda fase bateu, pela primeira vez num heat man-on-man, o “capitão América” Taylor Knox. Na fase seguinte continuou a surfar como se estivesse em Ribeira D’Ilhas, batendo Damien Hobgood com facilidade. No round 5 também fez muito bom surf e parecia estar a caminho de mais uns quartos de final. Mas o seu adversário, o brasileiro Jadson André, fez um pequeno “milagre” no fim da bateria e virou o resultado. Saca terminou esta etapa em 9º lugar, mas saiu da Austrália no top10 do WCT.

Comentários