Há cerca de três anos, aí pela bonita costa alentejana, entre Porto Covo e São Torpes, reparei em ti. Num só dia surfaste três ou quatro vezes. O teu nível de surf já era muito bom e lembro-me de perguntar quem eras e o que fazias por ali. Agora já não precisas de apresentações.

Podia criticar o mercado de surf e as decisões dos CEOs, dos gestores de produto e de tantos outros profissionais da área. Podia ir pelo caminho das sugestões e lançar uma campanha junto das escolas de surf, para que contribuíssem com apenas 1 euro por cada aula durante a época de verão e, estou certo, que lucrarias mais do que qualquer patrocínio de uma marca nacional ou internacional. Podia ir por aí, mas prefiro escrever. Prefiro que estas palavras façam eco e sejam partilhadas vezes sem conta. Talvez cheguem às pessoas certas. Pessoas que acreditam na honestidade, na capacidade de trabalho e na coragem de seguir sonhos com a certeza de que somos bons naquilo que fazemos. E nesse campo Yolanda, vai ser difícil não te darem nota máxima.

Lembra-te que tens a raça do sul e que nem o sol te amolece, és mulher algarvia, de Levante e de Mar de Fora, mas também és onda perfeita do teu querido Alentejo. E por aí encontras tanta inspiração. O power dos Canotilhos, a radicalidade do Kalú e a coragem do André nas ondas grandes.

Apostar em ti é retorno imediato, porque se o surf se quer diferente, autêntico e verdadeiro, deixar pelo caminho uma surfista como tu, não mata só o surf feminino. Mata o surf masculino e mata todo um percurso de evolução. Mata Portugal!

Já que escrevo sobre ti, podia enfiar nestas linhas todos os adjectivos que te qualificam, podia inundar parágrafos cheios de palavras e termos como técnica nos tubos, cutbacks perfeitos e pauladas agressivas. Para quê fazê-lo? Tu és campeã nacional! Campeã de um circuito que tem um elevado nível de surf e onde atingiste o topo. Estou agora a olhar para a fotografia em que estás com o Miguel Blanco, também ele campeão, e não consigo deixar de pensar onde estaria este miúdo se aquela marca de surf não apostasse no seu talento, numa altura em que ficou sem patrocínio, numa fase do tudo ou nada. Estaríamos mais pobres sem dúvida. Não acredito que ele estivesse aí ao teu lado, nem que perpetuasse um momento histórico, sendo capa da revista Surfer, num swell gigante em Nias, Indonésia.

Yolanda, sei que não me conheces bem, por isso deixa-me dizer-te que me assumo como um free surfer. E porquê escrever com sangue na guelra sobre um assunto de competição? Porque há batalhas em que não podemos assistir de camarote. É preciso participar nelas!

Espero que continues a deslizar nas ondas sem perder essa energia, essa pureza que te caracteriza. Ganha campeonatos, leva-nos pelo mundo fora e, sobretudo, sempre que te apetecer, surfa três, quatro ou cinco vezes por dia, até o teu corpo gritar,

EU MEREÇO!

 

Para ler mais textos de João “Flecha” Meneses vista o seu blog “Caderneta de Mar”.

Sobre o Autor:
João “Flecha” Meneses | Com quase três décadas de surf nos pés, “Flecha” enquadra dois adjectivos de respeito no surf, “underground” e “Soul” surfer. Originalmente local das ondas da Caparica, João tornou-se residente da Ericeira há mais de uma década e é um daqueles surfistas que não aceita insultos do “Sr. Medo”. Nos seus tempos livres é escritor de mão cheia e esta é mais uma grande colaboração com a ONFIRE.

Comentários

2 comentários a “Yolanda | By João “Flecha” Meneses”

  1. Belas palavras. O talento natural da Yolanda já ganhava títulos regionais há muitos anos atrás. A parceria com John fez despontar o invulgar poder (feminino) do surf da Yolanda. Sempre disse que ela ía longe e acredito que não fica por aqui. Basta vê-la surfar para intuir mais e melhor no futuro, mas quem a conhece sabe que na surfista existe alma e humildade suficientes para muito mais trabalho e resultados. A Yolanda uma causa nobre. Abraço

  2. Bruno Canotilho diz:

    Grande Flecha!!!!!! Um texto inspirador sobre uma miúda que luta todos os dias para se tornar cada vez melhor e assim realizar os seus sonhos, um deles recentemente concretizado como campeã Nacional. Uma surfista com um nível altíssimo em todas as condições, vejo-a a superar-se todos os dias, deixando a sua marca por todo o lado, e quem a vê surfar não fica indiferente ao nível que ela apresenta dentro de água.
    Sou surfista Alentejano e sei a dificuldade que é conseguir um bom patrocínio, mas faz-me confusão e não consigo perceber como é que uma surfista com a Yolanda ainda não tenha um patrocinador á sua altura.
    Yo tens todo o meu apoio e o Alentejo está contigo, pois tu mereces!!!!!!!!!! És uma força da natureza e tu vais conseguir!!!!!!!!

    Bruno Canotilho