O temporada competitiva de 2019 ainda não acabou mas a WSL já está a preparar o ano que se segue. Será uma temporada cheia de novidades, que foram anunciadas em directo esta tarde….

As principais mudanças são as seguintes:
– A prova de abertura muda de naming sponsor, (de Quiksilver Pro Gold Coast) para Corona Open Gold Coast;
– A terceira etapa do ano deixa de ser o Corona Bali Protected, que desaparece do calendário, passando a ser o Margaret River Pro, na Austrália;
– O Quiksilver Pro G-Land está de volta e será a quarta etapa do ano, um regresso à prova que começou o “Dream Tour” nos anos 90;
– Depois da prova de Jeffreys Bay (alguns d)os melhores surfistas do mundo seguem para o Japão para competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio e logo de seguida seguem para Teahupoo, onde se realiza a 7º etapa do ano. Será a primeira vez que esta prova acontece tão tarde no ano;
– Ao contrário dos boatos que circulam em vários meios de comunicação de surf, o tour não regressa a Trestles, mantendo-se em Leemore, Califórnia;
– O MEO Rip Curl Pro Portugal será realizado alguns dias mais cedo que nas edições passadas, de 14 a 25 de Outubro;

Calendário do Championship Tour de 2020:
Corona Open Gold Coast – Austrália – De 26 de Março a 5 de Abril
Rip Curl Pro Bells Beach – Austrália – De 8 a 18 de Abril
Margaret River Pro – Austrália – De 22 de Abril a 2 de Maio
Quiksilver Pro G-Land – Indonésia – de 4 a 14 de Junho
Oi Rio Pro – Brasil – De 18 a 27 de Junho
Corona Open JBay – África do Sul – De 7 a 19 de Julho
Tahiti Pro Teahupoo – Tahiti – De 26 de Agosto a 7 de Setembro
Freeshwater Pro – EUA – De 15 a 20 de Setembro
Quiksilver & Roxy Pro France – França – De 1 a 11 de Outubro
MEO Rip Curl Pro Portugal – Portugal – De 14 a 25 de Outubro
Maui Pro (prova feminina) / Billabong Pipe Masters – 8 a 20 de Dezembro

Também foram anunciadas alterações no circuito QS com a implantação do WSL Challenger Series. O Qualifying Series de 2020 contará com dois segmentos principais: o Challenger Series com a valer 10.000 pontos para o ranking do QS, e os eventos com status QS 5000, QS 3000, QS 1500 e QS 1000, que também pontuam no ranking que classifica dez surfistas para o CT.

O Challenger Series aumentará de seis para sete o número de eventos masculinos com nível máximo de 10.000 pontos e de duas para quatro etapas no calendário feminino. Todas as provas do Challenger Series serão realizadas com o princípio da igualdade na premiação oferecida para homens e mulheres, como já acontece no Championship Tour. O calendário completo do Challenger Series será lançado no final deste mês de novembro….

 

 

Comentários