Qualquer surfista profissional corre sempre o risco de se lesionar, mas os mais progressivos correm um risco maior. John John Florence e Gabriel Medina já perderam “fatias” importantes do Championship Tour devido a lesões provocadas por aterragens de aéreos mal sucedidas. O mesmo se passou com Filipe Toledo, que em 3 anos de tour já teve duas lesões que o obrigaram a faltar a etapas. O ano de 2015 foi o único na sua carreira no CT em que não se lesionou, o que resultou em ter ficado muito perto do título mundial

Em 2016 Filipe era o grande favorito para vencer novamente a etapa de abertura no tour mas lesionou-se em pleno heat e teve de faltar às etapas de Bells e Margaret River. Pelo que foi divulgado recentemente, Toledo chegou à Califórnia, onde vive, de muletas. A sua lesão deve-se ao facto de a cabeça do fémur ter batido com tanta força no quadril que o labrum, um tecido muito forte que separa os dois ossos, ficou danificado.

Assim que chegou aos EUA Filipe começou a fazer fisioterapia com o médico que trata da equipa da Hurley, e há cerca de 15 dias dizia estar a 60% da sua melhor forma. Como a prova brasileira do tour, o Oi RIO Pro, só começa a 10 de Maio Toledo ainda tem muito tempo para melhorar e defender o título de campeão da etapa.

Sobre as provas que faltou, “Filipinho” diz que serão os seus descartes e espera manter uma consistência de resultados dos quartos de final para cima para chegar ao Havai novamente na disputa pelo título mundial.

Comentários

Os comentários estão fechados.