Ainda falta uma etapa para acabar o Championship Tour de 2017, mas ainda muito pode acontecer. No entanto, se o tour acabasse hoje, esta seria a realidade para 2018.

O campeão mundial seria: John John Florence.

O rookie do ano seria: Frederico Morais.

Qualificados pelo Championship Tour (top22) estariam os seguintes nomes: John John Florence, Gabriel Medina, Jordy Smith, Julian Wilson, Owen Wright, Matt Wilkinson, Adriano de Souza, Kolohe Andino, Filipe Toledo, Sebastian Zietz, Joel Parkinson, Mick Fanning, Frederico Morais, Adrian Buchan, Connor O’Leary, Michel Bourez, Caio Ibelli, Joan Duru, Jeremy Flores, Kanoa Igarashi, Conner Coffin e Bede Durbidge.

Qualificados pelo QS (top10): Jesse Mendes, Yago Dora, William Cardoso, Tomas Hermes, Keanu Asing, Griffin Colapinto, Wade Carmichel, Michael Rodrigues, Michael February e Ezekiel Lau que, neste momento, é o único membro do CT a “sobreviver” via QS.

Quem ficaria de fora: Miguel Pupo, Wiggolly Dantas, Ítalo Ferreira, Ian Gouveia, Jadson André, Josh Kerr, Stu Kennedy, Ethan Ewing, Leonardo Fioravanti, Jack Freestone e Kelly Slater.

Quem pode subir com um bom resultado em Pipeline: Miguel Pupo, Wiggolly Dantas e Ítalo Ferreira.

Quem já precisa de um pequeno milagre em Pipeline: Leo Fioravanti e Ian Gouveia precisam de chegar às fases finais para conseguir a qualificação mas dependem ainda de resultados de outros surfistas.

E mais…

Bede Durbidge está no limite da qualificação mas, mesmo que consiga a vaga, já anunciou a sua retirada, o que poderá abrir uma vaga. Os wildcards da WSL (ex-injury wildcards) provavelmente serão Ítalo Ferreira e Kelly Slater.

Como estariam os competidores portugueses: Frederico Morais estaria qualificado pelo top22 do Championship Tour e seria também o rookie do ano, um feito nunca conseguido por um surfista português. Neste momento encontra-se em 13º lugar do ranking e independentemente do resultado a qualificação está garantida. Além disso ainda se habilita a ser um double qualifier já que se encontra em 13º lugar também no ranking QS, uma posição que lhe poderá dar entrada no top10 com uma campanha havaiana “mediana”.

Por sua vez, Vasco Ribeiro já necessita de uma campanha havaiana excelente. O surfista da Praia da Poça encontra-se em 34º lugar do ranking, a precisar de recuperar 6.620 pontos só para chegar ao top10. Esse requisito obrigatoriamente irá aumentar durante as duas etapas QS 10.000 do Havai. Ou seja, para se juntar a Morais no Championship Tour de 2018, Vasco provavelmente precisa de fazer finais nas etapas de Haleiwa e Sunset, algo que, como Kikas provou no ano passado, é possível…

Acompanha a evolução das provas finais AQUI!

Comentários