O que os principais sites de surf disseram sobre Frederico Morais durante o Rip Curl Pro Bells Beach

publicado há 1 mês por 0

O-QUE-OS-PRINCIPAIS-SITES-DE-SURF-DIZEM-SOBRE-FREDERICO-MORAIS

Frederico Morais foi um dos grandes destaques dos rounds 2 e 3 do Rip Curl Pro Bells Beach. É natural que todos os meios de comunicação de surf em Portugal tenham destacado o acontecimento mas a sua prestação foi tão impressionante que todos os grandes sites de surf a nível mundial fizeram algum tipo de menção sobre os seus heats.

Fica com uma compilação do que alguns dos sites de maior expressão no meio do surf escreveram sobre a performance do português….

Surfline/Nick Carroll
Início da tarde, Frederico Morais compete contra o formidável Gabriel Medina. Mas, apesar de ser formidável, Gabriel não tem um lugar cativo nesta aparentemente secular perna australiana e esta é a sua hipótese.

 Aqui está a história. Desde há algum tempo, o Gabriel tem tido o seu percurso facilitado nas primeiras trocas de ondas, aquele período breve em que a prioridade não existe e está tudo em aberto. Istso é o resultado das épicas jogadas táticas no início da sua careira. Quem poderia esquecer quando fez Kolohe Andino remar até ao fundo de Teahupoo em 2014, o ano do seu título mundial?

Bem, provavelmente qualquer pessoa que não é surfista profissional, ou dramático como eu. Continuando, a questão é que toda a gente agora o deixa em paz e ele habituou-se a esse luxo.

Então Frederico e o seu treinador, Richard “Dog” Marsh, têm uma conversa antes do heat. “Olha”, diz Dog, um veterano de muitas disputas de remada nos anos 80, “Ninguem se tem metido com o Gabriel no início. Tu podes não ganhar por causa disso, mas podes crer que o vais abalá-lo”.

“Yeah, yeah,” diz Frederico.

“Mas se o vais fazer, tens de o fazer BEM. Ficas sempre no inside, nem olhas para o teu relógio,. Sentas-te até ele quebrar.”

“Yeah!” Diz Frederico.

E é exactamente isso que ele faz. Fica com o inside de Gabriel, segura-o e ignora-o completamente, até que vem uma pequena onda e Gabriel quebra e tenta apanhá-la. Fred muda de posição e segura o inside até que uma onda rebenta em cima deles e os dois acabam a flutuar na espuma.

O segundo ponto saliente é, Gabriel não conseguiu que fosse feito à sua maneira. E funcionou. Num certo pânico, ele rema para uma onda pequena e deixa Frederico com uma onda do set – um 8.77 que basicamente decide o heat.”

Artigo completo AQUI

Stab
No primeiro resultado surpreendente do dia, Frederico Morais superou Gabriel Medina no heat um do round três. O frontside do rookie português estava em sintonia com as longas direitas de Winki, onde ele subiu secções e rasgou até conseguir 8.77 e 5.17 e uma média de 13.94. Com 6.00 e 7.57, Gabriel precisava de pelo menos 6.38 para passar Frederico. Algo que teria chegado perto de fazer caso não tivesse caído na aterragem de uma grande rotação de backside.

Artigo completo AQUI

SURFER
Só posso imaginar o que o Gail Couper* teria dito se tivesse subido a colina e observasse o início do heat do round 3 de Gabe Medina contra o rookie português Frederico Morais.

O par saltou para a água e quase deu a volta a Bells, numa tentativa de ficar com a prioridade. Eles chegaram até ao Winki Button, uns bons cem metros da zone do take off, antes de pararem, a competitividade a ferver furiosamente. O treinador do Fred, Dog Marsh, tinha sugerido que o fizesse, sabendo bem que Gabe não poderia resistir. Quando voltaram ao verdadeiro local do take off e alguem apanhou a primeira onda, um terço do heat já tinha ido por água abaixo. Numa situação normal, Gabe ganhava o heat mas ele estava tão desnorteado pela estratégia que, enquanto via Fred do line up, Gabe virou as costas e o set do dia limpou a baía a partir de Bells e aterrou na sua cabeça. A sua miserável campanha em Bells seguia, mas esta foi por sua culpa.”

*Nota de redacção – Gail Couper era uma surfista local dos anos 50 e 60.
Artigo completo AQUI

Comentários