No início da sua carreira, Nicolau Von Rupp sonhava com a qualificação para o Championship Tour e mostrou potencial para lá chegar. A certa altura o seu percurso foi desviado para uma carreira mais focado no free surf, principalmente em ondas pesadas.

Agora conjugaram-se as duas áreas em que se focou, não no CT, que requer um investimento de tempo e treino que era incompatível com o seu “projecto” mas sim no Championship Tour das ondas grandes, o Big Wave Tour da World Surf League. Nicolau será o terceiro português a correr este circuito a tempo inteiro, e o segundo da sua praia.

Tudo começou com João Macedo, que se estabeleceu como surfista de ondas grandes, sendo o primeiro português a receber a designação. Seguiu-se Alex Botelho, o atirado Algarvio que vai para a sua segunda temporada entre os surfistas mais atirados do planeta. Alex terminou a temporada passada em 7º lugar, o que lhe garantiu a requalificação.

Já Nicolau mereceu o seu lugar via Big Wave Awards, mais especificamente por ter ficado entre os 6 primeiros na categoria “Performance Of The Year”. Sobre o seu resultado, Von Rupp desabafou o seguinte via Instagram: “Sinto-me muito contente de ter conseguido qualificar-me para o Big Wave Tour da WSL. Dei tudo, corpo, mente e alma, aqueles que são próximos sabem, “all in”. Persegui ondulações, falhei, fui destruído por umas ondas e apanhei outras. Estar aqui, no fim da temporada, com um wildcard entre guerreiros que admirei toda a vida é incrível. Muito respeito por todos os que arriscam as suas vidas a cada ondulação, apenas por amor às ondas grandes. É algo para que trabalho há muito tempo, fazer a transição de pranchas 6’4” para slabs, para pranchas 11 pés. O timing, o approach, lidar com o medo… onde há vontade, há um caminho. Tenho tantas pessoas a quem agradecer. Família, namorada, amigos, patrocínios. E um agradecimento especial àqueles que estiveram do meu lado ao longo do inverno, Sérgio Cosme na segurança na água, sempre a garantir que não me afogava. As pessoas que estiveram com as câmeras apontadas a mim para capturar todos aqueles momentos. Os meus treinadores e mentores, tal como aqueles que saíram do seu caminho para espalhar o seu conhecimento.
Um momento especial para mim este ano foi em Mavericks, navegar pelo line up à procura das esquerdas não poderia ter sido possível sem muita ajuda. Todas as noites sentávamo-nos a ver os vídeos e a tentar decifrar o “código” das esquerdas. Obrigado por acreditarem. Obrigado ao Stretch por me fazer as pranchas certas para todas as condições, em especial a 9’9” amarela que ele fez para Nathan Flecher em 2011. E por fim às inspirações que me fizeram acreditar. É um trabalho de grupo e só és tão bom como as pessoas que estão ao teu redor! “It’s on”!!!”

Parabéns Nicolau, “GO BIG”!

Comentários