Fazer capa de uma revista de surf foi, durante muito anos, um dos momentos mais especiais da carreira de um surfista profissional. Antes das redes sociais, dos vídeos “instantâneos”, webcasts e mesmo da internet, já havia revistas, que eram praticamente o único local onde se podia receber informação sobre o mundo do surf.

Fazer uma capa para um surfista patrocinado era uma espécie de jackpot, algo que só poderia ser superado com títulos muito importantes. Ao longo dos anos o papel foi perdendo espaço para o digital e as revistas praticamente desapareceram. Isso fez com que hoje em dia seja quase impossível fazer a capa de uma das poucas revistas de surf que sobram pelo mundo, o que acrescenta ao mérito do que um surfista português acabou de conquistar, a capa da SURFER.

A SURFER Mag foi a primeira revista de surf a ser lançada, e mantém-se até hoje. É provável que todos os dias os editores desta revista recebam centenas ou milhares de imagens mas quando receberam um incrível shot de Miguel Blanco, num dia histórico em Nias, não hesitaram em colocá-lo na capa.

Miguel, que foi capa da ONFIRE Surf #71, lançada em Janeiro de 2015, é a prova que quando se tem talento e vontade de trabalhar, nada nos pode parar. Blanco ficou sem patrocínio principal numa fase crucial da sua carreira, algo que teria deitado abaixo muitos dos seus “concorrentes”. Mas este competitivo surfista da Linha do Estoril não se deixou abater e continuou focado em evoluir, sendo eventualmente contratado pela Rip Curl quase 3 anos mais tarde. A partir daí foi sempre a crescer, Miguel  ainda esse ano recebeu um wildcard para competir numa etapa do Championship Tour e foi continuando a melhorar os seus resultados até que, em 2018, finalmente conseguiu entrar no top100 do QS e vencer uma etapa da Liga MEO Surf. Outro foco da sua carreira foram as viagens de free surf, sempre atrás de ondas perfeitas e pesadas, o que o levou a Nias no dia épico em que foi fotografada a capa, o que só confirma a incrível fase que atravessa!

Comentários