Antes de passar por Peniche, o Championship Tour chegou a ter provas na Figueira da Foz e na Praia Grande, mas o cancelamento do Figueira Pro em 2001, devido aos incidentes de 11 de Setembro, e o cancelamento da prova de 2002, por falta de ondas, deu por fim aos eventos da elite do surf mundial por alguns anos.

Seria com a licença flutuante “The Search” que o circuito lentamente caminhava de volta para o nosso país. Em 2005 a Rip Curl conseguiu junto da WSL a autorização para fazer uma etapa ao estilo da sua campanha mais bem sucedida, a procura pelas ondas perfeitas, uma prova que seria realizada num país diferente todos os anos, oferecendo assim aos competidores a experiência de descobrir novos locais.

Primeiro o The Search ainda passou pela Ilha Reunião, México (onde se realizou a prova que muitos consideraram como a melhor de sempre na história da ASP/WSL), Chile e Uluwatu/Bali (onde Tiago Pires protagonizou um dos seus resultados históricos). Depois foi a vez de Peniche, em 2009, receber esta etapa, uma prova que passou pelo Molhe Leste, Lajido e Pico da Mota, antes de voltar para Supertubos num dia de ondas épicas. Com alguma mestria da parte dos organizadores do evento em Portugal, Peniche ficou com a licença da prova de Mundaka, que há vários anos “cambaleava” devido à falta de consistência na mítica onda basca, o que obrigava o evento a passar regularmente para picos com ondas muito abaixo no nível que se esperava.

A qualidade das ondas portuguesas fez sucesso e, devido aos fortes apoios locais, empresas como a Altice e entidades como o Turismo de Portugal, entre outros, o evento manteve-se, sendo o maior acontecimento do ano dentro do seu género de toda a Europa.

E como não poderia deixar de ser, em 2018 o MEO Rip Curl Pro Portugal realiza-se novamente, comemorando o seu 10º ano consecutivo de existência. Será entre 16 e 27 de Outubro, em Supertubos, Peniche.

(A prova de 2011 foi considerada a melhor entre todas as etapas do tour)

Comentários