O ABANCA Galicia Classic Surf Pro foi a terceira de apenas 6 etapas do circuito qualifying series masculino de pontuação máxima, 10.000 pontos, uma prova que terá grande influência sobre os classificados para o Championship Tour de 2020.

Três portugueses participaram nesta prova mas apenas um, Frederico Morais, conseguiu um bom resultado. O surfista de Cascais passou três fases, atingindo os oitavos de final man-on-man onde foi derrotado pelo eventual finalista da prova, Jake Marshall. O 9º lugar de Morais garantiu-lhe a sua melhor pontuação do ano, 3.700 pontos, eliminando assim a sua pontuação mais baixa, os 600 pontos do 49º lugar que tinha conquistado em Ballito. Frederico subiu à 30ª posição do ranking, com 9.000 pontos, o que o deixa ainda da 19 posições do cut. O actual 34º do CT tem agora dois resultados que pode considerar como keepers mas ficam-lhe a faltar pontuações mais altas se quiser voltar à elite do surf mundial.

Neste momento o cut está nos 13.000 pontos mas, tendo em conta que faltam 3 etapas de 10.000 pontos, uma da 6.000 e 5 de 3.000, o requisito deverá aumentar bastante. Em 2018 o limite da qualificação ficou nos 14.400 pontos de Jack Freestone mas este ano poderá chegar facilmente aos 16.000, dependendo da consistência dos competidores no top50 da actualidade. Mas tudo ainda está em aberto e tanto Morais como Vasco Ribeiro ou Miguel Blanco têm hipóteses de conseguir uma vaga.

A próxima etapa é o Azores Airlines Pro, etapa de 6.000 pontos que se realiza em São Miguel, Açores.

Comentários