O Brasil anda entre as maiores potências do surf mundial há décadas, mas é inavegável que mais nenhuma outra nação lhe chega perto neste momento.

O percurso foi longo e cheio de desafios mas não parece estar em vias de abrandar. Ficar a conhecer 6 razões que colocam o Brasil como a actual super potência de surf mundial.

1 – Três dos últimos 5 títulos mundiais da WSL são brasileiros. (Gabriel Medina x2, Adriano de Souza x1).

2 – Em 2018 2 dos 3 surfistas que tinham hipóteses de vencer o título a partir do início da última etapa eram brasileiros. (Gabriel Medina e Filipe Toledo) No ranking final 3 do top4 são brasileiros (Gabriel Medina, Filipe Toledo e Ítalo Ferreira).

3 – O campeão da Triple Crown of Surfing de 2018, Jesse Mendes, é brasileiro e foi o segundo surfista do seu país a ganhar o prestigioso título em 4 anos. (Gabriel Medina venceu em 2015).

4 – 82% das etapas do CT de 2018 foram vencidas por brasileiros (9 em 11), um novo recorde depois das 6 em 11 de 2015. Estas vitórias incluem o mais tradicional de todos os eventos, o Rip Curl Pro Bells Beach, ambas as provas de Bali, Teahupoo, Pipeline e até a etapa inaugural na piscina de ondas de Kelly Slater.

5 – 11 dos 34 surfistas do Championship Tour de 2019 são brasileiros, o que faz mais de 30% dos competidores do circuito.

6 – Desde 1998, ano em que a WSL criou o circuito júnior, 7 surfistas brasileiros foram campeões mundiais, totalizando 8 títulos em 19 disputados. A Austrália, com 5, é o segundo país com mais títulos. Os EUA (continente) têm zero campeões. Houve ainda 3 vice-campeões mundiais. O campeão em título é brasileiro, Mateus Herdy.

Tirando o The Quiksilver in Memory of Eddie Aikau, pouco mais falta a nível de títulos ao surf brasileiro. Tudo isto prova que, neste momento, o Brasil é a grande Super potência do surf mundial!

Comentários