Com o ano de 2020 à porta, a WSL revelou as últimas novidades para a próxima temporada.

Ao longo dos anos a escolha dos wildcards de temporada tem sido bastante polémica, já que regularmente são mais os surfistas que se candidatam que as vagas disponíveis. Esta questão vem desde, pelo menos, a temporada de 2001, quando Rob Machado perdeu a sua vaga no tour e acabou por não tentar recuperar a sua posição na elite do surf mundial via QS. Mas foi no ano passado, quando John John Florence, Kelly Slater e Caio Ibelli disputaram as duas vagas no circuito de 2019 que mais se questionou sobre os critérios de selecção para estas vagas. Para 2020 Adriano de Souza garantiu a primeira enquanto que Mikey Wright e Leonardo Fioravanti apresentavam legitimidade semelhante para a segundo. Evitando mais polémica a WSL parece ter chegado à solução perfeita, atribuiu vagas a ambos na perna australiana e, no final, quem estiver à frente entre os dois fica com a vaga para o resto do ano.

Quem não estará presente para acompanhar este disputa será a 4x campeã mundial, Carissa Moore, que optou por tirar um “ano sabático” para recarregar baterias e voltar à sua melhor forma. A sua ausência provocou algumas alterações no ranking feminino, garantindo a Brisa Hennessy uma vaga no top10 do CT, o que “liberta” a sua vaga no circuito QS, permitindo que a japonesa Amuro Tsuzuki um lugar no tour de 2020. O tour “perde” uma das suas melhores surfistas por um ano, mas recebe Tyler Wright, que esteve fora do circuito por mais de um ano, de volta com um wildcard para a temporada toda.

O ano de 2020 promete…

Comentários