As escolhas do staff para o Rip Curl Pro Bells Beach | CT#03

publicado há 3 semanas por 0

AS-ESCOLHAS-DO-STAFF-PARA-BELLS

Se tudo correr bem, tens menos de 12 horas para escolher a tua equipa no Fantasy Surfing da WSL. Isto porque o início do período de espera começa por volta das 22 horas de hoje em Portugal e a Liga só “desbloqueou” os jogadores há algumas horas.

Mas não desesperes, a ONFIRE está aqui para te ajudar com as tuas escolhas. Fica com os “bitaites” do staff da OF para o Rip Curl Pro Bells Beach.

Nível A
John John Florence
| No brainer. Depois de uma performance como a de Margaret River, será que alguém tem coragem de apostar contra o lycra amarela? Ok, Bells é uma onda muito diferente e o seu historial nesta etapa é dos seus piores em todo o circuito, já que o seu melhor resultado em 5 anos foi um 9º lugar em 2012. Mas este ano JJ parece estar em outro nível e com a ajuda do seu novo coach, Ross Williams e um momentum incrível, é claramente uma das apostas mais seguras do nível A.

Adriano de Souza | Desde que se sagrou campeão mundial, em Dezembro de 2015, “Mineirinho” tem tido poucos resultados expressivos, tendo inclusivamente caído do top10. Mas o seu surf encaixa bem em Bells e o seu recorde fala por si. No passado já venceu, já ficou em 2º e em 3º lugares e tem mais de 10 anos de conhecimento desta difícil onda. Um bom resultado em Margaret, 5º lugar, prova que está em forma e tem muito potencial de pontuar bem na terra da Rip Curl.

Dark horse
Owen Wright
| Bells não é uma etapa que favorece os goofies pois, apesar de Matt Wilkinson ter vencido no ano passado, esta etapa não era “levada” por um surfista com o pé esquerdo atrás desde Mark Occhilupo. Será a terceira etapa consecutiva que Owen compete de backside e tirando um heat com ondas difíceis em Margaret, o australiano ainda não tremeu. Se as condições estiverem com algum tamanho será ainda mais perigoso e, tendo em conta que está de olho em recuperar a lycra amarela, poderá ser uma excelente escolha.

 

Nível B
Mick Fanning
| Depois de terminar em 13º e 25º nas duas primeiras etapas Mick não inspira muita confiança. No entanto basta analisar as suas derrotas nessas provas, para Owen com notas duvidosas na Gold Coast e para Igarashi por 0.01 em Margaret, para perceber que os resultados não reflectem o surf que Fanning tem apresentado nos últimos tempos. Além disso o seu historial nesta prova é o mais impressionante de todo o tour. Mick venceu em Bells 4x, uma delas como wildcard aos 19 anos e ainda fez mais duas finais, três 3ºs e cinco 5ºs!

Julian Wilson | Tal como Mick, Julian não está com a “estrelinha” este ano, mas surf não lhe falta. Nas longas direitas de Bells, Wilson tem o “canvas” perfeito para mostrar a sua mistura muito especial de “speed, power & flow” e, batendo tudo certo, até pode vir a ser um candidato à vitória.

Joel Parkinson | Outro surfista, como Fanning, com um historial incrível em Bells Beach. O seu surf já não enche o olho como outros no tour, mas os seus carves têm tudo a ver com esta onda. Parko tem potencial de fazer um 5º lugar nesta etapa, talvez até um pouco mais.

Jack Freestone | Jack tem mais momentum que qualquer outro surfista neste nível B, tendo sido apenas parado por um John John “next level” Florence na etapa anterior. O seu historial pode não ser bom nesta etapa mas o seu surf encaixa e pode provar que o resultado anterior não foi um fluke, mas sim o começo da sua ascensão ao top10.

Dark horse
Caio Ibelli
| O rookie do ano de 2016 tem um pouco mais apagado, apesar de ter mostrado muito potencial no ano passado. Um grande resultado é o que está a precisar para voltar a ficar mais perto do topo e o seu estilo de surf encaixa bem em Bells. Se tudo bater certo Caio poderá perfeitamente fazer entre um 9º e um 5º lugar, ou até um pouco melhor.

 

Nível C
Frederico Morais
| “Kikas” caiu para o nível C o que o faz dele uma das melhores escolhas do grupo. Bairrismos à parte, Morais tem em Bells uma das ondas que mais o favorecem em todo o tour. Os anos de surf nos Coxos e Ribeira vão ser um grande aliado e os seus carves de frontside são garantia de grandes pontuações e um resultado sólido.

Ethan Ewing | Ethan ameaçou nas duas primeiras etapas e se corrigir os erros que fez aí poderá fazer em Bells o seu primeiro grande resultado. O mundo está à espera desta momento e se a pressão não o afectar é possível que isso aconteça. O seu estilo de surf também se enquadra bem em Bells, o que faz dele uma boa aposta.

Dark horse
Nat Young
| O azar de um é a sorte de outro, e neste caso Nat Young está a capitalizar na lesão de Ítalo Ferreira. Como primeiro alternate este norte-americano já competiu na etapa anterior, e na primeira via trials. Nat não tem mostrado o seu melhor surf ultimamente, mas no passado já fez 2º e 3º lugares em Bells e tem um backside mortífero que o poderá levar a outro grande resultado.

Podes fazer as tuas escolhas para o Rip Curl Pro Bells beach AQUI, juntar-te à Liga ONFIRE Surf 2017 (password: OF 2017) AQUI e assistir ao evento ao vivo AQUI!

Comentários