Frederico Morais fez história no Hawaiian Pro com o seu 2º lugar atrás do actual campeão mundial, John John Florence. No entanto, apesar de ter ganho 8.000 pontos, de ter subido 18 posições e de estar neste momento dentro da “bolha” da qualificação, o seu trabalho ainda não terminou.

Se o ano tivesse acabado nessa etapa, teríamos um português garantido já na primeira etapa do Championship Tour do próximo ano mas, faltando uma etapa, há muitos surfistas que ainda lhe podem roubar a vaga. Alguns precisam de muito, outros de pouco mas, por outro lado, Frederico não precisa de muito para melhorar a sua posição.

Do seu lado está um momentum incrível e um grande resultado no passado em Sunset, 4º lugar em 2013, o que o deixa muito confiante para tirar mais uma grande classificação!

Eis algumas contas não oficiais feitas pela ONFIRE em relação aos possíveis cenários para Frederico Morais em Sunset.

Para melhorar a sua posição Morais precisa de:
Passar pelo dois heats (assumindo que começa no round 2), o que lhe daria 2.100 (se perder em 4º no round de 32) ou 2.300 pontos (se perder em 3º no round de 32). Com esse resultado Frederico “capitaliza” 1.000 ou 1.200 pontos, passando de 16.010 pontos para 17.010 ou 17.020, o que seria suficiente para passar o seu grande amigo Ryan Callinan (se ele não pontuar) e passar a ocupar a 9º posição no ranking QS.

Se passar ao round de 16 estará numa excelente posição para garantir a sua vaga. Um 4º lugar garante-lhe um total de 18.510 pontos, que lhe permite passar Ryan Callinan, Bino Lopes e Ian Gouveia, caso eles não pontuem, e passar para o 7º lugar do ranking. O 3º lugar apenas lhe garante mais 200 pontos, o que muda pouco a situação.

A partir desta fase é quase certo que a sua vaga estará garantida. Frederico Morais é um exemplo de foco e concentração e é garantido que não estará a pensar no que os seus adversários vão estar a fazer e sim no seu surf mas o que é certo é que há alguns adversários que estão mais para trás no ranking com hipóteses de lhe roubar a posição.

De facto qualquer surfista com 7.000 pontos para cima e que tenha descartes de, no máximo 1.000 pontos, pode chegar aos seus 16.010. Isso significa que até Nathan Hedge, que ocupa a 56º posição do ranking, pode passar-lhe à frente com uma vitória milagrosa.

No entanto, os seus adversários mais perigosos são os seguintes:
Tomas Hermes – Precisa de chegar ao round de 16 para ficar com 17.050 pontos (pelo menos)
Jadson André – Precisa de passar um heat, para chegar ao round 4 e mesmo se ficar em 4º lugar passa Frederico Morais.
Jesse Mendes – Precisa de passar um heat, para chegar ao round 4 e ficar com os mesmos pontos que Morais, se perder em 4º lugar ou passá-lo por 200 pontos se ficar em 3º lugar.
Evan Geiselman – Precisa de chegar ao round 4 e perder em 3º lugar para passar o “cut” de 16.010 pontos!

A partir daí todos os competidores precisam de chegar ao round de 16, meias finais, final ou mesmo de vencer para chegar aos 16.010 pontos do português, um número que poderá aumentar à medida que Kikas, Callianan e outros comecem a pontuar! E ainda há boas hipóteses de Kanoa Igarashi se qualificar pelo CT com 9º ou 5º lugares no Pipe Masters, abrindo assim mais uma vaga!

Acompanha o surfista de Cascais a fazer história a partir de 25 de novembro no Vans World Cup!

Comentários

Os comentários estão fechados.