5 surfistas esquecidos que venceram no WCT | Parte 1

publicado há 2 anos por 0

5-SURFISTAS-ESQUECIDOS-1

Vencer no WCT é o equivalente a entrar no “hall of fame” do nosso desporto. No entanto, no meio de tantas etapas e tantos anos de tour, alguns nomes acabam por cair no esquecimento. A ONFIRE escolheu 5 surfistas que venceram na elite e que hoje em dia não são conhecidos do público.

Tony Ray | 1992 | Lacanau Pro (França)

Quando a geração de Kelly Slater entrou no circuito mundial encontrou a elite preenchida com surfistas que tinham os dias contados no tour. O seu estilo de surf estava em vias de desactualizar e e apenas os fora de série da geração anterior teriam capacidade de se aguentar mais uns anos. Pelo meio encontrava-se Tony Ray, um “elo perdido” entre gerações. Sem grandes patrocínios Ray aguentava-se no tour graças à sua competitividade e performances em ondas pesadas e tubulares. Foi em 1992 que começou a “Era de Slater” e em Agosto desse ano, como 20 anos, Kelly liderava o circuito mundial pela primeira vez na sua carreira. Quando chegou à final do Lacanau Pro, em ondas que passavam os dois metros, esperava-se que conseguisse a sua primeira vitória no WCT mas Tony Ray, o outro finalista, “trocou-lhe as voltas”. O veterano adaptou-se bem às condições e bateu Slater com 29.3 pontos contra 21.5. O futuro campeão do mundo não teria de esperar muito mais pela sua primeira vitória pois bateu Gary Elkerton na final da etapa seguinte e em Outubro do mesmo ano garantiu o seu primeiro título mundial (durante o Alternativa Surf International) no Brasil. Mas a história entre estes dois surfistas não acabava aí. Tony Ray não se conseguiu aguentar no WCT durante muito tempo e acabou por se dedicar às ondas grandes e em 2002 ambos foram convidados para competir no prestigioso evento “The Quiksilver in Memory of Eddie Aikau”. No fim do dia Tony foi anunciado como vencedor mas a sua alegria não durou muito tempo. Slater olhou para o placard onde estavam apontadas as notas dos competidores e reparou que as contas tinham sido mal feitas. Em vez de perder o título por um ponto, Kelly na verdade tinha vencido por dois, (319 pontos contra 317 de Ray) e o resultado foi rectificado. Assim o super competitivo Slater “vingou” a sua derrota de 1992 e venceu o seu primeiro e único Eddie, enquanto que Tony ficou em segundo lugar e até hoje não conseguiu vencer…

Ricardo Tatuí | 1994 | Quiksilver Surfmasters (Biarritz, França)

Ricardo Aguiar Tatuí fez parte da geração brasileira que derrubou as “barreiras anglo-saxónicas” até aí dominantes no surf profissional. Os nomes mais sonantes desse grupo eram obviamente Teco Padaratz e Fábio Gouveia mas muitos outros passaram pelo WCT e hoje em dia caíram no esquecimento do surf internacional. Ricardo seria mais um, caso não tivesse feito algo muito especial em Outubro de 1994. O brasileiro ficou muito perto da qualificação para o WCT no ano antes o que lhe proporcionou uma vaga como alternate e o eventual acesso Quiksilver Pro Biarritz, uma de três etapas consecutivas realizadas em França. O mar estava pequeno e Tatuí, bem habituado aos beach breaks com pouca força do seu país, foi passando os seus heats. Bateu Kelly Slater no round 3, Damien Hardman nos 1/4s e Shane Powell nas meias, encontrando-se na final com o californiano Jeff Booth. A final foi vencida pelo regular brasileiro com a pontuação de 26.64 contra 23.26. Foi uma época muito especial para o surf brasileiro já que a etapa anterior, o Rip Curl Pro em Hossegor, tinha sido vencida por Teco Padaratz (numa final contra Kelly Slater) e a prova seguinte o Buondi O’Neill Pro (WQS de 3 estrelas na Ericeira) foi vencido por Fábio Gouveia. Ricardo conseguiu a qualificação para a elite (na altura top44) no ano seguinte mas não conseguiu repetir o sucesso e retirou-se do circuito mundial pouco tempo depois.

Myles Padaca | 2001 | Rip Curl Cup (Sunset Beach, Havai)

Durante alguns anos, entre a etapa brasileira do WCT e o Pipe Masters havia uma etapa de Sunset, que sempre baralhava as contas da disputa pelo título. Mas nunca tanto como em 2001, o ano em que o tour se resumiu a 5 etapas. Até ao ataque terrorista de 11 de Setembro apenas se tinham realizado 4 etapas e a partir desse momento o circuito ficou on hold. Em respeito aos surfistas norte-americanos as etapas do tour fora dos EUA (após Jeffreys Bay) foram canceladas ficando de fora as etapas francesas, de Mundaka (País Basco), Figueira da Foz e Brasil. Para ajudar à “festa” o Pipeline Masters foi realizado como Special Event, não contando para o ranking do WCT. Isso fez com que o título mundial fosse decidido na difícil onda de Sunset e o campeão acabaria por ser “amaldiçoado” com um asterisco à frente do seu nome. De facto CJ Hobgood ficou com o título mas deve muito ao seu amigo Ben Borgeous, que eliminou dois candidatos ao título, Occy e Danny Wills. CJ tinha sido eliminado por Myles Padaca, que competiu no evento após ter vencido os trials. O mar estava grande e as rasgadas de Padaca encheram os olhos aos júris, despachando ainda Trent Munro, Renan Rocha, Kalani Robb e Mick Lowe na final. Este resultado só poderia ter acontecido no Havai e com a vitória Myles acabaria por garantir título da Triple Crown of Surfing. No ano seguinte ainda tentou a sua sorte no WQS, mas a “magia” não se repetiu e Myles voltou a focar-se nas ondas pesadas do Havai.

Fica a conhecer mais dois vencedores esquecidos no WCT (juntamente com uma “menção honrosas”) na próxima semana em www.onfiresurfmag.com

Queres saber quem foram os nossos eleitos como melhores surfistas que nunca venceram no WCT? Podes ler AQUI!

Comentários