O circuito Qualifying Series da WSL já arrancou e centenas de surfistas começam novamente a sonhar com uma vaga na elite do surf mundial, o Championship Tour. Infelizmente, para eles, apenas 10, ou menos, se qualificam por este circuito por ano, o que faz com que apenas os mais consistentes consigam concretizar esse objectivo. A ONFIRE seleccionou 5 surfistas com forte potencial de conseguirem uma das vagas…

Jack Robinson
O australiano é o típico surfista que é talhado para as ondas do Championship Tour mas encontra sérias dificuldades no circuito QS. A seu favor tem já uma vitória este ano no Volcom Pipe Pro, o que, juntando ao seu segundo lugar no Sunset Open, realizado em Janeiro, o colocou na liderança do circuito. A estratégia para Jack é simples, tentar fazer mais resultados sólidos ao longo do ano para chegar ao Havai sem precisar de vitórias para conseguir a vaga, algo que é muito possível que consiga fazer.

 

 

Mateus Herdy
Será que o resultado de Mateus em Haleiwa, uma etapa que quase venceu e que o deixou bem perto da qualificação, foi um fluke ou este jovem brasileiro é “the real deal”. Algo nos diz que Herdy tem mesmo muito potencial e que é uma questão de tempo até entrar no tour e fazer estragos, tal como o seu tio, Guilherme Herdy, fez nos anos 90 e 00. Pouco depois de perder cedo em condições difíceis em Sunset, perdendo assim as suas hipóteses para o tour de 2019, Mateus seguiu para Taiwan onde surfou acima da média para conquistar o título mundial júnior. Os seus resultados e o surf que tem apresentado dentro e fora de competição fazem-nos acreditar que este será um dos rookies de 2020.

 

 

Vasco Ribeiro
O surfista de São João do Estoril ficou perto da qualificação em 2018, mostrando que tem tudo para estar entre os 32 melhores do mundo. Uma lesão no início do ano e dois ou três resultados que poderiam ter sido melhores por razões que o ultrapassaram, fizeram com que chegasse ao Havai precisar de finais, algo que poderá ser evitável este ano. Além disso já provou que funciona bem sob pressão e que as ondas de Haleiwa e principalmente Sunset não são grande desafio para si. Agora só falta manter o foco e continuar o trabalho para se tornar no 3º português a conseguir a qualificação.

 

 

Weslley Dantas
O irmão mais novo de Wiggolly nunca foi considerado como um forte candidato ao CT, tanto que já não tem um patrocinador principal desde os tempos em que a Nike ainda estava ligada ao surf. Dantas é um pouco mais pesado que o típico surfista do tour mas compensa com a água que projecta a cada manobra, as suas manobras progressivas, boas capacidades como tube rider e, acima de tudo, muita garra. Weslley começou o ano de 2018 com seeding baixo, a competir nas provas mais pequenas, mas acabou a poucos lugares do cut em Sunset. Se continuar com o mesmo “andamento” poderá conseguir a tão desejada vaga.

 

 

Ethan Ewing
Ethan teve um ano fraco de estreia no CT em 2017 e desde aí não conseguiu recuperar a vaga. Em 2018 não conseguiu o regresso “por uma unha negra”, ficando atrás do seu companheiro de equipa, Jack Freestone, por poucos pontos. No entanto, o seu surf não engana, é de topo. Ewing regularmente “posta” nas suas redes sociais manobras de rail que deixam até os melhores surfistas do planeta impressionados. Quando conseguiu fazer mais manobras assim em competição irá directamente para o topo. E tudo deve começar em 2020…

 

 

Menção honrosa
Frederico Morais
O surfista de Cascais não surge entre os fortes candidatos ao CT de 2020 porque, com um pouco de sorte, poderá constar nesta lista ainda em 2019. Frederico ficou de fora por um lugar em 2018, e devido a uma questão polémica entre Caio Ibelli, Kelly Slater e a WSL, surge como segundo alternate para o circuito deste ano. Isso significa que poderá perfeitamente fazer um ano completo ou mesmo, dentro de algumas etapas, receber uma “vaga cativa”, como aconteceu com Sebastian Zietz, Stu Kennedy e outros no passado.

 

 

 

Mais conteúdos “À Porta do Olimpo” AQUI!

Comentários

Um comentário a “5 fortes candidatos ao Championship Tour de 2020”

  1. Francisco diz:

    Samuel Pupo e Barron Mamiya não poderiam estar fora dessa lista.