Como seria um “Dream Team” de surf nos jogos olímpicos? Ainda não se sabe muito sobre o formato da prova de surf nos jogos olímpicos de 2020 no Japão. Uma das poucas informações disponíveis é que serão 20 os surfistas em cada categoria (masculina e feminina). O sistema de qualificação para este evento ainda não foi revelado e tudo indicava que seria através das provas da ISA. No entanto seria um grande erro excluir surfistas do Championship Tour que, neste momento, não estão aptos para competir em provas ISA (e muitos outros “special events”) devido a compromissos com a WSL. Mas já é sabido que a World Surf League, organização que tem os melhores surfistas do planeta sob contrato, também estará de alguma maneira ligada a este arranque do surf nos Jogos Olímpicos.

Apesar de ainda faltarem 4 anos para o evento, a ONFIRE fez uma escolha de quem seria o “plantel” de sonho, na opinião do nosso staff!

– Kelly Slater

O 11x campeão do mundo terá 48 anos em 2020 e deveria ser uma carta fora do baralho para esta prova. Mas a verdade é que ele quebrou praticamente todas as barreiras no surf profissional e provou que a idade para ele é algo muito subjectivo.

– Gabriel Medina

Medina é uma máquina competitiva só comparável ao surfista acima mencionado. O primeiro brasileiro vencer o circuito da WSL tem tudo para ser o primeiro surfista do mundo a vencer uma medalha de ouro.

– John John Florence

O melhor free surfer do mundo, na opinião de muitos, parece ter tomado o “gostinho” pela disputa pelo título e seguramente iria dar o seu melhor para conseguir o ouro.

– Mick Fanning

Fanning tem envelhecido como o vinho e apesar de não haver uma previsão ou certeza sobre quando irá regressar ao surf profissional seria mais que justo ter este incrível ícone a prestigiar o nosso desporto nos jogos olímpicos.

– Adriano de Souza

Quando venceu o título mundial, em Dezembro de 2015, Adriano deu um dos discursos mais emocionais da história do surf. Conseguem imaginar como seria esse discurso com medalha de ouro ao peito?

– Ítalo Ferreira

Um dos nomes menos cotados desta lista mas até 2020 muito pode mudar e não será impossível até juntar à sua lista de feitos um título mundial da WSL, fazendo dele um forte candidato a entrar nesta disputa pelas medalhas.

– Jordy Smith

Jordy tem tido alguns altos e baixos nos últimos anos mas é de longe o melhor surfista do continente africano e mais que digno de uma vaga nos jogos olímpicos.

– Filipe Toledo

Lembram-se da prestação de Toledo na primeira etapa do Championship Tour de 2015? Não estamos a comparar Tokyo a Snapper mas, se estiver mais ou menos naquele registo e se o brasileiro mantiver o “andamento” até lá ninguém o conseguirá parar.

– Matt Wilkinson

Noutro ano qualquer ter Wilko nesta lista seria quase uma piada, mas este ano ele mostrou o que vale e ganhou o direito de estar em qualquer “shortlist” da actualidade.

– Jack Freestone

Jackie ainda mostrou pouco no CT, apesar de ter muito. Se realizar o seu potencial estará no top5 nos próximos anos, algo que deverá ser antes de 2020.

– Julian Wilson

Wilson é aquele surfista que parecia estar destino à grandeza mas ainda não conseguiu concretizar o seu potencial. Até 2020 tem muito tempo e além disso é daqueles surfistas que seria fácil de visualizar com uma medalha olímpica.

– Kolohe Andino

Programado para ser um dos melhores de todos os tempos, Kolohe é daqueles surfistas que poderá estar no auge mais ou menos em 2020.

– Conner Coffin

As ondas do Japão dificilmente favorecem o seu surf mas este mestre na arte de usar o rail merecia uma oportunidade de ir aos jogos olímpicos.

– Kanoa Igarashi

O jovem norte-americano e descendente de japoneses é um mestre em ondas muito parecidas às que normalmente se têm visto na terra do sol nascente. Além disso daqui a 4 anos terá 22 e muita experiência no arena competitiva mas dura do meio do surf.

– Leonardo Fioravanti

Não sabemos se Jeremy Flores ainda estará no activo daqui a 4 anos mas, não estando, o italian stalian poderá ser o grande representante da Europa.

– Ethan Ewing

O surfista menos conhecido deste top20 mas o que mais nos faz lembrar da maneira com Andy Irons ou Taj Burrow entraram no CT. E se conseguir fazer algo parecido ao que esses dois fizeram, será um candidato ao ouro.

– Jack Robinson

Há quem diga que o jovem australiano é muito bom free surfer mas dificilmente se adaptará ao mundo do QS, algo obrigatório para entrar no CT e talvez nos jogos olímpicos. Mas disseram a mesma coisa de John John Florence…

– Hiroto Ohhara

Com Kanoa a representar os EUA, o Japão iria gostar de ter um representante local. E neste momento Hiroto é “O” surfista japonês de referência a nível mundial.

– Carloz Muños ou Noe Mar McGonagle

A América Central também merecia ter um representante e só poderia sair da Costa Rica. Carlos é o “capitão pura vida” e merecia uma presença num evento global como este mas Noe poderá na altura já ser o melhor surfista dessa parte do planeta.

– Frederico Morais ou Vasco Ribeiro

Claro que gostaríamos de ver pelo menos um surfista português na disputa pelo ouro. Com Tiago Pires já fora das lides competitivas internacionais, principalmente tendo que conta que ainda faltam 4 anos para este evento, Kikas e Vasco deverão ser os mais fortes candidatos a uma vaga em Tokio.

Concordas com esta lista? Quem são os outros nomes que, na tua opinião, também merecerão uma vaga?

Comentários

Os comentários estão fechados.