O segundo dia do Cascais Billabong Pro foi muito semelhante ao primeiro, com ondas boas mas difíceis e muitos momentos intensos. Depois de terminar os heats que faltavam do round 1, começou a segunda fase com cores nacionais logo no segundo heat.

Zé Ferreira tinha pela frente três adversários de peso, Ítalo Ferreira, Alex Ribeiro e Leonardo Fioravanti. E apesar das condições estarem bastante atípicas para o Guincho o local tratou de mostrar aos visitantes como se surfa no seu “quintal”. Ferreira mostrou um surf muito preciso, atacando as secções certas e soltando sempre muita água nas manobras. Zé esteve sempre na disputa pelo primeiro lugar mas no fim o brasileiro Ítalo disparou para o primeiro lugar com manobras “quase suicidas”. Mesmo assim o português ficou com um sólido segundo lugar, mais uma vez confirmando o seu valor. Com este resultado Zé Ferreira garante pelo menos 1.300 pontos e entra no top100 do ranking, um grande marco na sua carreira.

A prova continuou com ondas de dois metros “plus”, com grandes performances e grandes derrotas também. Um dos melhores heats do dia foi o 8º pois a liderança alternou várias vezes. A minutos do fim o Joan Duru arriscou bastante de backside numa secção pesada e passou para primeiro mas nos últimos segundo os tops do WCT, Fred Patacchia e Jeremy Flores, mostraram a razão de estarem na elite do surf mundial e passaram a ocupar as duas primeiras posições no ranking.

Foi depois do fim desta bateria que se viveu um dos momentos mais intensos do campeonato, quando Jeremy deu a sua entrevista pós heat como todos os vencedores fazem. Quando o seu entrevistador lhe perguntou qual tinha sido o segredo do seu sucesso no heat Flores pediu para ele lhe dizer uma vez que já tinha escrito muitas vezes sobre ele e sempre coisas más. Depois de alguns segundos embaraçosos Jeremy largou um sorriso e deu continua à entrevista, mas com certeza este jornalista irá pensar muito bem antes de falar novamente sobre o francês.

Entretanto começou o heat de Tiago Pires, em condições cada vez mais difíceis. Marc Lacomare e Dion Atkinson abriram com notas sólidas e conseguiram fazer bons back ups antes do surfista da Ericeira conseguir fazer qualquer onda boa. Essa acabou por ser a história do heat, Saca apostou nas direitas mas neste heat elas não apareceram com antes e quando encheu uma onda de manobras não recebeu uma nota alta porque faltaram secções mais “críticas”. No entanto conseguiu assim sair da combinações, o que acabou por não servir de muito pois encontrou grandes dificuldades em voltar ao chegar ao outside devido aos sets que não paravam de entrar e assim acabou o heat.

Pouco depois acabaria este dia de prova, acompanha o terceiro dia do Cascais Billbong Pro em directo AQUI!

Comentários

Os comentários estão fechados.