Depois de um lay day, o Pantin Classic Galicia Pro finalmente chegou ao fim. Ainda em prova neste dia final estava Teresa Bonvalot, que tinha muito em jogo na sua bateria dos quartos de final man-on-man contra Sage Erickson. A portuguesa foi quem começou melhor o heat, pontuando 6 pontos nas escassas ondas de meio metro que surgiam no line up e dominou uma boa parte da bateria. Infelizmente a única onda com potencial que surgiu na segunda metade do heat foi para Sage, que conseguiu uma nota de 6.74 e passou para a liderança, deixando Bonvalot a precisar de 5.07. Teresa fez a coisa certa, esperou por uma onda com boa formação mas nada surgiu e no último minuto apanhou uma onda de qualidade inferior ao que precisava. Apesar disso a surfista de Cascais surfou-a bem e ficou apenas a 0,19 do requisito, sendo à mesma eliminada.

Depois de derrotar Teresa, Sage bateu Mahina Maeda nas meias, encontrando Coco Ho na final. O derradeiro heat desta prova QS 6.000 foi vencido pela havaiana, que foi ligeiramente superior e assim garantiu a sua segunda vitória do ano.

Entre os homens, que apenas tinham 3.000 pontos em disputa, um dos grandes destaques foi o australiano, Ethan Ewing, que parecia estar de volta ao ritmo que o levou ao Championship Tour em 2017. No entanto, depois de bater Leonardo Fioravanti nos quartos de final, foi batido por um dos surfistas mais impressionantes e surpreendentes do circuito de qualificação, Weslley Dantas. O irmão do famoso Wiggolly Dantas em certos momentos desafia a lei da gravidade, surfando ondas pequenas como se fosse fisicamente pequeno e não um dos surfistas mais pesados do tour. O que é certo é que este surfista, que já foi campeão mundial da ISA, é uma força da natureza e depois de despachar Ewing com uma nota de 9.5, derrotou o surfista da Costa Rica, Carlos Munoz, para vencer esta prova e subir consideravelmente no ranking.

Comentários