Os novos (ou regressados) surfistas do World Championship Tour de 2015 em análise.

Nome: Ricardo Christie
Idade: 26
Local: Aotearoa, Nova Zelândia
Patrocínios: RVCA, XCel, Electric, …Lost ,Tommy Dalton , Aerial7, Creatures of Leisure, FCS.

Resultados em 2014: 3º lugar Sata Azores Pro (Prime), 5º lugar Quiksilver Saquarema Prime, 9º lugar Vans World Cup of Surfings (Prime), 9º Oceano Santa Catarina Pro (6 estrelas), 25º O’Neill SP Prime (6 estrelas)

Ricardo Christie é um dos mais improváveis tops do WCT de 2015, mas não por falta de surf. Apesar de ter ficado muito perto da qualificação no seu ano de estreia no WQS, 2011, em 2013 este “kiwi” encontrava-se sem patrocínios ou perspectivas de voltar a correr o WQS. O orçamento que tinha apenas deu para competir na vizinha Austrália onde tirou alguns resultados mas continuava a faltar investimento para correr o resto do circuito. No entanto, em vez de se deixar derrotar decidiu fazer algo que ninguém tinha feito antes, um vídeo a mostrar o seu melhor surf como base de uma espécie de campanha de crowd funding.

Christie pedia 20.000 AUD e conseguiu passar o seu objectivos, voltando assim a correr o WQS. O ano de 2013 não lhe foi favorável no que toca a resultados mas impressionou muita gente e conseguiu voltar a ter um patrocinador principal, a RVCA. A primeIra metade do ano não lhe correu bem mas conseguiu chegar às meias finais na etapa dos Açores e aí começou a sua verdadeira campanha a caminho do WCT. Chegou ao Havai com boas hipóteses e fez os pontos que precisava mas ainda ficou a depender de resultados de outros surfistas no último WCT do ano para garantir a sua qualificação. Tudo correu a seu favor e no fim do último dia de competição ficou oficial a sua entrada na elite, sendo o primeiro surfista do seu país a qualificar-se para do WCT desde de Maz Quinn, que esteve no tour em 2001.

O que se deve esperar em 2015?

Como todos os rookies faltará experiência mas o seu surf parece estar ao nível do circuito. Ricardo não parece ter grandes “handicaps” sendo forte em todo o tipo de mar. O seu surf progressivo é o que tem chamado mais à atenção mas as suas curvas de rail são fortíssimas e o backside afiado. Tem boas hipóteses de se requalificar via WCT.

 

Comentários

Os comentários estão fechados.