Infelizmente, tanto Ribeiro como Morais perderam hoje mas não deixaram de ter prestações brilhantes ao longo do evento!

A organização tinha dúvidas quanto a realizar hoje a competição mas acabou por optar por fazê-lo pois, apesar de não estarem as ondas a que os Areais de Santa Bárbara já nos habituaram, havia mais do que condições para competir.

Ondas de um metro rebentaram todo o dia em São Miguel, estas “bafejadas” por um vento on-shore. Mas o pior mesmo era a consistência das ondas boas pois poucas eram as que davam oportunidades aos surfistas em prova para mostrar o seu surf.

E no primeiro heat do dia tínhamos, como sabias, Frederico Morais frente ao ex-WCTista Patrick Gudauskas. Eles foram o heat cobaia, aquele que todos os competidores estão atentos para perceber quais as ondas boas, a quantidade de ondas boas e o tempo entre ondas boas mas, neste caso, ninguém conseguia negar que as ondas boas, aquelas que dava para notas excelentes, eram muito poucas. Venceria quem se adaptasse melhor e conseguisse fazer o melhor em ondas medianas.

Gudauskas encaixou uma séria louca de rasgadas e pauladas numa (rara) esquerda que abriu até à areia, metendo um 7.50 no seu score. Morais continuava a surfar bem e a surfar o melhor possível as ondas que apanhava encaixando também algumas manobras numa esquerda difícil e recebendo um cinco pontos. Nesta altura do heat o português estava em segundo e a necessitar de uma nota na casa dos quase sete pontos para ganhar a liderança. Tinha prioridade e optou, e muito bem, por esperar uma onda que lhe desse oportunidade. Mas, infelizmente, cometeu dois erros que lhe acabaram com a possibilidade de virar o heat: cedeu uma onda a Gudauskas, onde este fez a sua segunda melhor nota, um 5.67, e, minutos mais tarde, Gudauskas “venderia” uma onda a Kikas que acabaria por ser má mas daria ao americano a prioridade. O surfista do Guincho sabia perfeitamente os erros que cometeu, e a sua atitude exemplar fora de água mostrou isso mesmo ao afirmar que, se perdeu, foi realmente porque, além das dificieis condições, mas que são iguais para todos, cometeu alguns erros tácticos! Poucos são os surfistas que têm esta maturidade (muitos gostam de culpar o mundo todo menos eles) e esta é “apenas” mais uma das grandes razões pelas quais o lugar de Morais no WCT é apenas uma questão de tempo!

No round seguinte, o quinto, estava o último português em prova, Vasco Ribeiro! O surfista da Poça tinha uma táctica muito bem planeada, esperar as raras ondas boas. O seu opositor, Tomas Hermes, usou a táctiva inversa, apanhar tudo o que podia. Geralmente a espera compensa, principalmente em heats com 30 minutos ou mais, mas há sempre excepções à regra e esta foi, infelizmente, uma dessas excepções. Ribeiro esperou mas as ondas boas não entraram e Hermes acabou por passar com duas notas na casa dos 5 pontos, enquanto o português não fez mais do que uma nota de 3.50. Sem dúvida um heat muito ingrato principalmente se tivermos em conta que Ribeiro estava a ser um dos destaques do evento!

No entanto estes não deixam de ser resultados preciosos para os portugueses que basicamente lhes garante acesso aos Primes até ao final do ano. Sendo estes os eventos que mais pontos dão para a qualificação do WCT, e tendo em conta que o próximo Prime é em Cascais (leia-se Carcavelos ou Guincho), praias que Morais e Ribeiro cresceram a surfar, o futuro já a curto prazo é sem dúvida de mais sucessos!

Mas várias outras surpresas houve neste dia. A maior, ou talvez não, é o incrível pico de forma que o italiano de 16 anos, Leonardo Fioravanti, atravessa. Depois de um excelente segundo lugar em Sooruz, WQS de 5 estrelas, e de vencer o WQS de 3 estrelas em Pantin há uma semana atrás, Fioravanti continua a mandar os grandes nomes do surf mundial para casa e já está neste momento nos quartos-de-final, graças a ter vencido Patrick Gudauskas no round 5.

O líder do ranking, Matt Banting, foi também eliminado no round 5, por Richard Christie, enquanto o mediático Freestone foi para casa mais cedo graças ao perigosissímo Jesse Mendes.

Por realizar ficaram ainda alguns heats do round 5 e serão estes que irão acontecer amanhã caso o evento arranque. O call está marcado para as 13H (horas do continente) e, caso o evento aconteça, não te esqueças que podes ver tudo ao vivo carregando aqui! Os heats que irão acontecer são os seguintes:

Heats round 5 em falta
Heat 5: Maxime Huscenot (FRA) vs. Italo Ferreira (BRA)
Heat 6: Joan Duru (FRA) vs. Willian Cardoso (BRA)
Heat 7: Yadin Nicol (AUS) vs. Beyrick De Vries (ZAF)
Heat 8: Brett Simpson (USA) vs. Michael Dunphy (USA)

Quartos-de-final
QF 1: Leonardo Fioravanti (ITA) vs. Jesse Mendes (BRA)
QF 2: Ricardo Christie (NZL) vs. Tomas Hermes (BRA)
QF 3: TBD
QF 4: TBD

(Destaques do dia 3 do SATA Azores Pro)

 

Comentários

Os comentários estão fechados.