Tomás Valente, sem dúvida um dos mais mediáticos surfistas nacionais, será uma estreia no MOCHE Capítulo Perfeito presented by Rip Curl, tendo sido o quarto seleccionado na categoria de “Free Surfers”.

Já lá vão uns anos desde que Tomás Valente, o goffy de Carcavelos/Caxias, decidiu, com todo o apoio dos seus patrocinadores da altura, seguir um caminho totalmente diferente no surf nacional, o de free surfer. Antes dessa fase, Tomás ainda competiu durante uns anos mas nunca sentiu que essa fosse a melhor fórmula como o seu surf poderia dar retorno em quem nele apostava.

Falou com a Volcom (seu principal patrocinador da altura), e ambos decidiram que Tomás passaria o ano a preocupar-se em trabalhar a sua imagem apenas como free surfer. E Tomás fê-lo de uma forma única no nosso país: trabalhou intensivamente com os fotógrafos, garantindo a sua presença nos vários media especializados em surf (na ONFIRE fez capas, páginas duplas, meias páginas e todos os tamanhos de fotos que possas imaginar, além de pequenas e grandes entrevistas), trabalhou como ninguém a parte dos vídeos, lançando o seu próprio filme de surf (além de múltiplos clips), e marcou, como é óbvio, presença em quase todos os spots que se encontraram clássicos nos últimos anos.

Além disso, começou também a trabalhar ainda mais a faceta das ondas grandes sendo um daqueles que gosta de marcar presença na Peralta, a famosa esquerda que também nos últimos anos entrou na boca do mundo.

Mas o que abriu todo este caminho para Tomás Valente na altura foi a forma como o goofy dominava o aéreo reverse (além de várias outras variantes de aéreos). Se hoje qualquer surfista profissional português já domina os aéreos, nessa época, que não foi há muito mais do que seis ou sete anos, eram pouquissímos os que o conseguiam fazer com um grau de sucesso elevado. Tomás Valente era, a par com Paulo Almeida, um dos raros, e foi esse o surf que o meteu na luz do Spotlight do surf nacional (e da ONFIRE).

Hoje, e depois de uma mudança de patrocínio da Volcom para a Analog, que também apoiou incondicionalmente a sua carreira de free surfer, Tomás Valente encontra-se sem patrocinador principal, como podes relembrar aqui, mas continua a trabalhar a sua carreira de free surfer como sempre o fez.

E se o ano passado a sua ausência no Capítulo Perfeito foi uma das maiores surpresas, este ano Tomás Valente irá estrear-se neste formato competitivo e que lhe irá assentar que nem uma luva, afinal, se há uma faceta da qual ainda não falámos aqui de Tomás Valente é da sua facilidade em dar tubos.

Vindo de Carcavelos, Tomás segue a técnica de surfistas como Herédia e Edgar Nozes, ambos também eles seleccionados para o MOCHE Capítulo Perfeito, no que a tubos quer de frontside quer de backside diz respeito. Com tempo para “agarrar” as ondas boas, Tomás será um adversário de respeito.

Se há algo que o poderá prejudicar de alguma forma é o facto de não ter o seu lado competitivo afiado como grande parte dos restantes eleitos mas certamente que Tomás também não facilitará nenhum adversário na hora da disputa pela onda perfeita.

Aqui fica a sua mini-entrevista sobre o MOCHE Capítulo Perfeito presented by Rip Curl.

O que significa para ti ser eleito para o Moche Capítulo Perfeito? Estou muito satisfeito, porque normalmente sou muito associado a ondas pequenas e a aéreos, e ao estar na lista dos 30 e ser um dos 16 finalistas votado pelo o público significa muito para mim, porque na realidade também gosto de procurar ondas pesadas e com tubos.

O que pensas deste tipo de formato? É um formato muito bom para o público e para os surfistas. No meu caso que sou free surfer vai ajudar-me a ter maior exposição mediática, e no caso do público, vai ter muita diversão em ver os competidores a mandarem grandes tubos e grandes baldos.  O público gosta de ver os surfistas a desafiarem ondas de consequência, logo aí é um evento que se destaca dos outros!!

Fizeste algum tipo de campanha? Fiz apenas no Facebook, que neste momento é a melhor ferramenta de divulgação que existe. Já agora metam “Like” na minha página de atleta ahahah!

Quem foi, para ti, a maior surpresa na lista final dos surfistas eleitos? Acho que não houve nenhuma surpresa, todos os 16 são bons tuberiders, mas é bom ver que o público votou no pessoal mais novo, o que ajuda também à progressão do nosso desporto.

Pensas que há algum nome que deveria ser obrigatório estar presente e não está? Na minha lista de escolhidos coloquei pelo menos três nomes que acho que deveriam estar presentes: Ruben (Gonzalez), (Filipe) Jervis e António Silva. Também votei no Jó Bento, é um grande tuberider também! Na lista inicial dos 30 surfistas também colocaria o Diogo Gonçalves e o Joãozinho da Consolação, dois dos melhores tuberiders de Peniche.

A próxima mini-entrevista, e que poderás ler amanhã aqui no site da ONFIRE, é com o surfista que na edição do ano passado do MOCHE Capítulo Perfeito ficou em segundo lugar, um feito que conseguiu com o braço engessado, o local da Figueira da Foz, Ivo Cação.

(vídeo de Tomás Valente sobre MOCHE Capítulo Perfeito)

YouTube Preview Image

 

Comentários

Os comentários estão fechados.