O EDP Billabong Pro Cascais arrancou cedinho, com boas ondas de um metro apesar do vento afectar ligeiramente as condições.

O primeiro português em prova era Miguel Blanco, que competiu logo no primeiro heat da prova contra Peterson Crisanto, Nomme Mignot e Marcos Correia. O wildcard de Cascais/S.Pedro do Estoril estava claramente com o surf no pé e esteve sempre na disputa por um lugar no round 2. A sua última onda foi a melhor, pontuando 6.17 mas todos os seus adversários também fizeram ondas fortes. No final menos de 0.4 pontos separaram o 1º classificado, Peterson Crisanto, e o 4º Nomme Mignot mas, infelizmente Miguel foi 3º a precisar de apenas 5.78 para passar Marcos Correa, sendo eliminado.

 

Miguel Blanco surfou muito e perdeu por pouco.

Miguel Blanco surfou muito e perdeu por pouco.

 

Tomás Fernandes era o outro competidor luso no round 1 e tratou de fazer uma das suas melhores exibições no QS. Foi nesta prova, em 2013, que o surfista da Ericeira fez a sua estreia em grandes eventos e novamente dominou um heat contra adversários de peso. Fernandes esteve à frente desde cedo devido a uma par de direitas bem surfadas. Ao longo do heat Tomás aumentou o ritmo, novamente nas direitas, com boas batidas e rasgadas no outside e finalizações muito fortes. Nenhum dos outros surfistas ficou perto da sua média e foi o brasileiro David do Carmo, que foi horrivelmente subvalorizado na sua melhor esquerda, quem terminou num distante segundo lugar, com Diego Mignot em 3º e Josh Burke em 4º.

 

 

Horas mais tarde seria a vez de Vasco Ribeiro competir numa bateria muito importante para se manter na disputa por uma vaga no Championship Tour e 2018. O surfista da Poça tinha como adversários Kanoa Igarashi, Heitor Alves e Michael Dunphy. Ribeiro foi muito paciente na espera pela sua primeira onda, uma fase em que apenas Kanoa conseguiu pontuar bem, com uma nota de 7 pontos graças a uma longa esquerda. A sua primeira onda não tinha muitas secções verticais, obrigado Vasco a dar muitas rasgadas que apenas lhe garantiram uma nota de 5.17. Com duas ondas médias Dunphy passou para a frente, sendo eventualmente superado por Igarashi, quando o norte-americano melhorou o seu back up para 4.67.

 

Vasco Ribeiro foi traído pela escolha de ondas.

Vasco Ribeiro foi traído pela escolha de ondas.

 

Ribeiro continuou a “trabalhar” mas mais uma vez numa onda sem parede e o 4.9 que fez de seguida não lhe deu para ocupar o segundo lugar, uma posição para a qual o requisito estava constantemente a aumentar. Já a precisar de nota alta, o ex-campeão mundial júnior fez a sua melhor onda até aí, passando a precisar apenas de 6.24. Na sua onda seguinte o português ia bem a caminho da nota que precisava com alguns snaps fortes mas no inside a prancha fugiu-lhe dos pés e a queda não permitiu melhorar a sua situação. Pouco depois reparou que tinha a prancha vincada, o que o obrigou a perder algum tempo para a trocar. Nos minutos finais Vasco tinha a prioridade mas não apareceu qualquer onda com potencial e foi eliminado.

Os outros dois surfistas portugueses em prova neste round 2, Tomás Fernandes e Frederico Morais, competiam juntos no heat 13 contra Gony Zubizarreta e Adam Melling mas a prova nunca passaria da bateria 12, passando o confronto para o próximo dia de competição.

Acompanha a evolução desta prova em directo AQUI a partir das 8 horas.

Comentários