As condições estavam bem perto do que se previa pela manhã em Snapper, mas a maré estava muito cheia e obrigou a um “delay” de 2 horas para o arranque. Mas o mar começou a acertar e quando o primeiro heat entrou na água o mundo do surf parou para ver!

As ondas estavam com o tamanho do dia anterior mas mais “clean” e com mais parede, apesar de não haver tantas ondas boas por heat como se esperava.

Nunca é fácil competir contra os locais e num line up como Snapper Rocks ainda mais complicado se torna. Que o diga Tiago Pires que tinha no seu heat um surfista que conhece este pico como poucos, e ainda Bede Durbidge que já passou muitas horas a destruir os lips desta onda.

Saca começou bem o seu heat com alguns carves em duas ondas, para liderar a bateria nos primeiros minutos. Mas Parko patrulhava o pico como um tubarão, apanhando ondas debaixo da prioridade com facilidade e uns carves, tubos, batidas (e mesmo um aéreo) mais tarde Joel tinha uma liderança absurda, quase impossível de acompanhar. O português claramente fez o jogo da espera, mas não colheu frutos pela sua perseverança e acabou em terceiro lugar.

Uma das grandes surpresas do dia foi o wildcard Dane Reynolds, que venceu o seu heat frente a Mick Fanning e Adam Melling. Mais uma vez “Dane conseguiu ser Dane” e esquecer a lycra por tempo o suficiente para soltar o tail no lip até à vitória.

No heat anterior Matt Banting, vencedor dos trials, mostrou potencial para vencer, surfando como um autêntico veterano mas com um approach muito radical e moderno, obrigando Slater a meter “uma mudança acima” para garantir a vitória.

O surfista do dia foi mesmo Josh Kerr que venceu um heat com notas altíssimas contra Filipe Toledo e Mitch Crews. Filipe parece ter mudado a sua estratégia este ano pois trocou os seus alley oops e Kerrupts por manobras no lip e rasgadas e cedo fez uma onda excelente. Mas Kerr tinha alguns “truques” na manga e com o surf mais progressivo do campeonato (e um tubo) venceu este heat.

Dois “jovens gigantes”, John John Florence e Gabriel Medina, encontraram-se perto do fim do dia, no heat 10. Medina dominou o heat com um surf de backside bastante afiado e algumas manobras progressivas misturadas outras “abaixo do lip”. Já Florence “acordou” perto do fim, conseguindo o melhor tubo do dia, mas seria tarde demais para virar o heat.

Segue-se o round 2, no próximo dia de prova, onde teremos Tiago Pires no round 2 a competir contra Jordy Smith logo na segunda bateria do dia, acompanha tudo em directo AQUI!

Comentários

Os comentários estão fechados.