O último dia do Fiji Women’s Pro voltou para Cloudbreak e quando terminou a última bateria da prova o rumo da disputa pelo título tinha sido bastante afectado.

As ondas passavam os dois metros e apesar de à primeira vista as condições parecem perfeitas na verdade estavam muito difíceis de surfar. O primeiro heat foi um dos mais importantes da etapa pois garantia que uma das “crónicas” top4 iria ficar pelo round 3. Tyler Wright parecia estar mais “solta” e à vontade no pico mas ao longo da bateria Sally Fitzgibbons foi “crescendo” e virou o resultado, passando assim para os quartos de final.

Já nessa fase Carissa Moore e Dimity Stoyle protagonizaram um dos piores heats do campeonato. Não que tenham surfado mal mas todas as suas ondas tinham pouco potencial e o heat foi decidido com notas de 3 pontos. Dimity, graças a algumas rasgadas tinha uma onda de 3 pontos e uma de 3.83, deixando Carissa a precisar de 3.17 nos últimos segundos. A líder do ranking ainda apanhou uma onda perto do fim e deu duas rasgadas mas não com força suficiente para conseguir mais do que a nota de 3.03, e assim perdeu o heat.

A porta ficou aberta para Stephanie Gilmore e Sally Fitzgibbons diminuírem a diferença entre elas e a número um do ranking, e ambas aproveitaram bem a oportunidade. Depois de derrotaram Dimity Stoyle e Malia Manuel com alguma facilidade encontraram-se na final.

A final também foi um heat muito fraco, com as duas australianas a encontrarem dificuldades em descobrir ondas com parede. Sally foi quem encontrou uma onda com mais potencial e “soltou” algumas rasgadas fortes, vencendo assim a sua segunda final consecutiva.

Com o resultado Fitzgibbons manteve-se no segundo lugar no ranking, mas agora está a apenas 1.500 pontos de Carissa Moore. De seguida está Stephanie Gilmore que tem de “limpar” um mau resultado (13º lugar) para se chegar mais perto do topo.

Comentários

Os comentários estão fechados.