As ondas melhoraram, passando para meio metro “sólido” com boa formação, e a organização aproveitou para fazer mais uma “maratona”. Pelo segundo dia consecutivo realizaram-se 28 heats, o que deu cerca de 13 horas de competição.

Infelizmente, no meio de muito bom surf, a maioria dos surfistas portugueses foi eliminado. Começou com Filipe Jervis, logo no segundo heat da manhã. Pelo que seu viu antes da prova (e poderás ver em breve aqui), Filipe está com surf para chegar muito mais longe, mas não conseguiu reproduzir o mesmo nível neste heat. Mesmo assim vale a pena destacar um belíssimo aéreo de frontside que deu e que, apesar de uma aterragem “in extremis,” a onda não ajudou a seguir na manobra.

O mesmo se pode dizer de Eduardo Fernandes que apanhou três adversários inspiradíssimos, William Cardoso, Cory Arrambide e Bernardo Miranda e mesmo surfando bem não conseguiu manter-se na disputa por uma presença no round seguinte.

Umas horas valentes mais tarde entrou Vasco Ribeiro, que esteve entre o primeiro e segundo lugar quase o heat todo. Vasco começou forte com algumas batidas e snaps no lip e conseguiu um bom back up com um reverse no lip. Mas os seus adversários foram crescendo e o surfista da Poça acabou por perder com um erro táctico, uma interfrência nos últimos segundo sobre Fred Patacchia. No entanto, a partir do momento em que o havaiano se posicionou para apanhar essa última onda, o heat estava perdido para Ribeiro pois com ou sem interferência a última onda de Patacchia chegava para garantir o segundo lugar.

Ainda no round de 96 estava Weverton Nunes, segundo qualificado nos trials locais, e Marlon Lipke contra Matt Wilkison e David do Carmo. “Wilko” foi quem começou mais forte, com uma recuperação incrível num snap lay back. Mas Lipke foi pontuando forte ao longo do heat. Nas esquerdas deu os seus carvings potentes e compactos e de backside deu fortes batidas para vencer mais um heat. Weverton teve os seus momentos também mas, nunca esteve na disputa pelos dois primeiros lugares.

Tiago Pires, no primeiro heat do round seguinte, começou da mesma maneira que no dia anterior, com a sua melhor onda. Saca deu boas batidas no outside e espremeu a onda até ao fim e acabou por dominar o heat. Brian Toth também surfou bem de backside nas direitas e garantiu o segundo lugar num heat em que a jovem estrela americana, Eric Geiselmen, fez uma péssima escolha de pico e perdeu.

Depois desta vitória de um português esperava-se o mesmo de Frederico Morais, na bateria seguinte. “Kikas” até começou bem mas não conseguiu “crescer” ao longo do heat. De facto nenhum dos quatro conseguiu impressionar muito os júris e o score vencedor (Tim Macdonald) não passou dos 11.5 pontos. Mesmo assim Frederico chegou ao fim a precisar de uma onda com potencial, mas esta nunca apareceu.

O Sata Airlines Azores Pro volta amanhã e podes acompanhar em directo no website da ONFIRE!

Heats com portugueses por realizar:
(Round de 48)
Heat 12 | Fredrick Patacchia x Marc Lacomare x Jonathan Gonzalez x Marlon Lipke

(Round de 24)
Heat 1 | Tiago Pires x Tim Macdonald x Hizunome Bettero

(Vídeo do terceiro dia de competição)
YouTube Preview Image

Comentários

Os comentários estão fechados.