Há campeonatos de surf de todo o tipo de formatos e feitios, e depois há eventos especiais como o PRIO Softboard Heroes, uma iniciativa da React Sports Managment, de Tiago Pires e Salvador Stilwell, que proporcionou a todos os que estiveram presentes um dia especial na Praia da Física, em Santa Cruz. Fica a saber as 5 razões que fizeram do PRIO Softboard Heroes um grande sucesso…

Vasco Ribeiro

João Kopke e Martim Paulino

O carácter solidário. Durante todo o dia tanto organização como os surfistas convidados tinham como objectivo distribuir o máximo que conseguiam para as 4 instituições envolvidas no evento, ACREDITAR, CRESCER, NÓS e RENASCER. A cada bateria os surfistas iam ajudando a dividir os 10.000 euros disponíveis, consoante as suas performances dentro de água. No final foi a CRESCER que acabou na frente, com uma equipa formada por Francisco Alves, Carolina Mendes, Afonso Antunes e Frankie Chavez, seguida pela NÓS, que contava com Miguel Blanco, Mafalda Lopes, Martim Paulino e Pedro Guedes, enquanto que a RENASCER ficou em 3º lugar, com a presença de João Kopke, Camilla Kemp, Martim Fortes e Pedro Sousa e por fim a ACREDITAR, que foi muito bem representada por Vasco Ribeiro, Mariana Assis, Santiago Graça e Tiago Teotónio Pereira. Houve vencedores, mas não houve vencidos já que todas as instituições acabaram por receber doações bastante semelhantes.

Tiago Pires, Frankie Chavez e Pedro Guedes

Good Vibes. A conjugação da organização da React Sports Managment, o catering delicioso e saudável proporcionado pela Noah Surf House, a “hidratação” (consumida de uma forma moderada e saudável) da Corona, a “energia” garantida pelas bebidas de café Go Chill, a dinâmica proporcionada pela Sealand Santa Cruz, os comentários do incansável speaker Diogo Patrocínio, entre muitas outras participações dos mais diversos parceiros, proporcionaram um dia memorável de surf, praia e convívio em Santa Cruz, comprovando mais uma vez a qualidade das praias desta zona. Isto tudo sem esquecer a presença de patrocinadores como a PRIO, Câmara Municipal de Torres Vedras e Oeste Portugal, que foram fundamentais para que o evento se tornasse uma realidade e para que houvesse um valor financeiro relevante para distribuir.

Condições “perfeitas”. Ou, pelo menos, condições perfeitas para a diversão. Depois de semanas de nortada, dias sem ondas, nevoeiro e fundos com pouco qualidade, as condições não podiam ter estado melhores para o PRIO Softboard Heroes. Apesar da data ter sido marcada com semanas de antecedência, o dia não podia ter sido melhor escolhido, com direito a bom tempo, ausência total de vento durante todo o dia, ondas de meio metro e um banco de areia “bem desenhado” mesmo em frente ao local previsto para a prova, permitindo que toda a acção de concentrasse naquele pedaço de praia e que as ondas nunca faltassem.

Mariana Rocha Assis

Bom Surf. Bom surf é pouco, viu-se muito bom surf em praticamente todos os heats. Com um fenomenal quiver de softboads que incluía os modelos MR (Mark Richards) da Ocean & Earth, vários modelos da Mick Fanning Softboards, JJF (John John Florence) da Pyzel Surfboards, Pro Models da Softtech e vários modelos da Flowt, havia pranchas para todo o tipo de surfistas e a grande maioria soube tirar bom proveito da versatilidade que este tipo de pranchas proporciona. O resultado foi que o nível de surf que se viu não esteve longe do que seria possível com as pranchas do dia a dia.

Martim Paulino

A primeira fase juntou um surfista de cada uma das “categorias” (friends, juniors, ladies e pros) e logo no primeiro heat do dia Francisco Alves mostrou-se um sério contender, fazendo algumas curvas com muito rail, o que lhe permitiu passar em primeiro mesmo tendo partilhado uma onda com um dos seus “colegas”. De seguida aconteceu o primeiro de três showdowns entre dois surfistas que muito recentemente disputaram o título nacional, Afonso Antunes e Vasco Ribeiro. Ambos brincaram um pouco no início do heat, mas acabaram a soltar bem o surf de backside nas esquerdinhas que rolavam até à areia, tendo Afonso acabado na frente. No heat seguinte João Kopke surfou bem várias esquerdas, com direito a alguns carves que faziam lembrar as suas curvas em pranchas convencionais, mas foi um inspirado júnior com um backside bem sharp, Martim Paulino, quem passou em primeiro lugar. Para terminar esta fase Miguel Blanco, outro surfista com muito experiência de softboard, também venceu a sua bateria.

Francisco Alves

Chegados às meias finais os quatro friends já tinham sido eliminados, a categoria ladies era representada apenas por Mafalda Lopes, os juniores Afonso Antunes, Martim Paulino e Martim Fortes ainda se mantinham na disputa, tal como os 4 surfistas profissionais “de serviço”. A primeira meia final foi o heat mais disputado do dia, com um empate entre Afonso Antunes, Francisco Alves e Vasco Ribeiro. O desempate foi na quarta melhor onda, o que deixou Alves de fora e deu a vitória a Ribeiro. De seguida Martim Paulino venceu mais uma bateria, levando consigo Miguel Blanco para a final do evento principal. Vasco Ribeiro começou muito bem a final, com duas esquerdas cheias de manobras mas foi Afonso Antunes quem acabou na frente, conseguindo assim uma pequena vingança amigável, depois de ter perdido o título nacional, enquanto que Martim Paulino foi terceiro e Miguel Blanco quarto.

Afonso Antunes e Vasco Ribeiro

Mas o evento não ficou por aí, havia ainda donativos para distribuir para as instituições nas finais de cada categoria. Tudo começou com os friends, onde os actores Pedro Sousa e Tiago Teotónio Pereira disputaram taco a taco a primeira posição. Sousa levava vantagem devido à sua experiência como competidor já que, antes de descobrir a sua vocação como actor, foi surfista patrocinado e campeão nacional de esperanças. A vitória acabou por ser sua, seguido de Tiago, Pedro Guedes e Frankie Chavez. A final júnior foi muito competitiva mas Afonso Antunes estava imparável e venceu de novo, com Martim Paulino como “vice”, Martim Fortes em terceiro e Santiago Graça em quarto. Camilla Kemp “levou” a categoria ladies, seguida de Carolina Mendes, Mafalda Lopes e Mariana Assis e o campeão nacional de europeu de 2021, Vasco Ribeiro, levou a pros, seguido de Francisco Alves, João Kopke e Miguel Blanco.

Afonso Antunes

Covid free e amigo do ambiente. Nenhum detalhe foi poupado para fazer deste um evento exemplar. Tanto a zona das “equipas”, que juntavam os surfistas que representavam cada associação, às zonas mais comuns, com alimentação e bebida à descrição, locais sempre muito arejados e confortáveis, foi tudo pensado tendo em conta o panorama actual. E claro, como seria de se esperar pela ligação com a Noah Surf House, de forma amiga do ambiente e saudável. Até o placard do evento foi construído com materiais reciclados e actualizado manualmente pelo artista e surfista Ricardo Pires. Antes da entrega de prémios e jantar, realizado mais tarde no dia nas já nas instalações da Surf House com vista para a belíssima Praia da Física, foram executados testes em todos os participantes, staff, competidores, patrocinadores e não só, para garantir mais uma vez a segurança de todos.

Um evento a repetir…

 

 

Comentários