O draw e as “bombas” do Oi Rio Pro

publicado há 1 ano por 0

OI-RIO-PRO-2016

Organizar uma etapa do Championship Tour da WSL não deve ser fácil, mas o Oi Rio Pro parece estar a tornar-se num desafio acima da média.

Os problemas começaram quando se desenterrou uma questão que já vinha da etapa de 2015, a qualidade da água! Foram mais de 10 os competidores que ficaram doentes devido a esse problema e se durante a prova esse factor já era visível, houve quem sofresse mazelas durante cerca de 2 meses.

Segunda o site da revista Stab haverá boas hipóteses desta etapa cair do tour e esse tema vai ser votado pelos surfistas no fim desta etapa. Esta informação não foi confirmada pela WSL e mesmo que seja verdade, o risco de realmente se tornar realidade é pequeno. Primeiro porque esta é uma das etapas mais tradicionais do circuito e a que atrai mais público. Além disso quase um terço dos surfistas do tour são brasileiros e dificilmente iriam votar a contra a etapa.

Mas onde desaparece um problema, surge outro. Aparentemente devido às fortes chuvadas e à quantidade de água que foi parar à areia do pico do “Postinho”, o palanque, já montado e com direito a uma ponte para levar os surfistas à água sem terem de atravessar um mar de gente, foi condenado. Segundo os técnicos, a estrutura não era segura e teve de ser desmontada e montada novamente na zona de back up, Grumari, 25 quilómetros a sul.

Outro ponto negativo são as ausências de alguns dos melhores surfistas do tour. Kelly Slater estava no draw até esta manhã, mas já se antecipava a sua ausência. O 11x campeão mundial alegou motivos pessoais e abriu uma vaga para Lucas Silveira . Já Taj Burrow afinal já está reformado e nesta etapa já não faz parte do Championship Tour, o que lhe permite faltar e participar na de Fiji como wildcard. Joel Parkinson será outro nome ausente, alegadamente por lesão, mas o facto de ter competido esta semana num QS 1.000 pontos em Keramas, Indonésia, só prova que o ex-campeão mundial está perto de “arrumar as botas” e que já não tem pica para ir a etapas como a do Brasil.

Também Kai Otton se deu como lesionado, o que juntando às ausências de Owen Wright, Bede Durbidge e Mick Fanning, permitiu que fossem abertas vagas para Sebastian Zietz, Adam Melling, Dusty Payne, Stu Kennedy, Bino Lopes, Deivid Silva, Leonardo Fioravanti e ainda por definir está um wildcard!

Uma notícia menos negativa (excepto para os seus adversários) é o regresso do campeão da etapa no ano passado. Ainda não se sabe se Filipe Toledo está de volta ao seu 100% mas será, sem dúvida, um surfista a ter em conta nesta etapa!

Entretanto muitos dos competidores já se encontram na área e alguns membros do team Hurley assistiram a uma pessoa ser baleada muito perto do palanque da prova, o que confessarem ser uma experiência bastante assustadora!

O Oi Rio Pro deve começar já na próxima terça-feira, acompanha tudo em directo AQUI!

Heats do round 1
Heat 1: Filipe Toledo, Kanoa Igarashi, Dusty Payne
Heat 2: Gabriel Medina, Stuart Kennedy, Leonardo Fioravanti
Heat 3: Julian Wilson, Davey Cathels, Deivid Silva
Heat 4: Ítalo Ferreira, Miguel Pupo, Bino Lopes
Heat 5: Matt Wilkinson, Jadson André, Vencedor dos trials ou Lucas Silveira
Heat 6: Adriano de Souza, Keanu Asing, Vencedor dos trials ou Lucas Silveira
Heat 7: Nat Young, Michel Bourez, Alex Ribeiro
Heat 8: Jordy Smith, Conner Coffin, Jack Freestone
Heat 9: Jeremy Flores, Josh Kerr, Adam Melling
Heat 10: Kolohe Andino, Wiggolly Dantas, Ryan Callinan
Heat 11: Sebastian Zietz, Adrian Buchan, Alejo Muniz
Heat 12: Caio Ibelli, John John Florence, Matt Banting

Prova feminina
Heats do round 1
Heat 1:Sally Fitzgibbons, Bianca Buitendag, Laura Enever
Heat 2: Tatiana Weston-Webb, Malia Manuel, Keely Andrew
Heat 3: Courtney Conlogue, Bronte Macaulay, Silvana Lima
Heat 4: Tyler Wright, Nikki Van Dijk, Coco Ho
Heat 5: Carissa Moore, Sage Erickson, Chelsea Tuach
Heat 6: Stephanie Gilmore, Johanne Defay, Alessa Quizon

Comentários