Depois de vários anos sem sair dos Supertubos, a etapa nacional do Championship Tour, o MEO Rip Curl Pro Portugal, moveu-se.Antes das 8 da manhã já a nata do surf mundial andava pelos lado do “Point Fabril”, um pico em que os fundos acertaram e onde as condições estavam perfeitas. Os competidores tinham dois spots à escolha, uma direita mais à frente do palanque e um esquerda um pouco mais a sul, que acabou por ser a onda mais surfada ao longo do dia.

Fez-se bom surf logo desde o início mas o primeiro grande destaque foi Caio Ibelli, que “detonou” de backside como mais ninguém até aí e com um par de notas de 7 pontos eliminou Davey Cathels. As ondas melhoraram à medida que a maré vazava e as esquerdas tornavam-se ainda mais longas e com mais parede, o que deliciou o público, cada vez mais numeroso, que se encontrava na praia. Outra grande disputa ainda nesta segunda fase foi a bateria entre Conner Coffin e Nat Young, que foi vencida pelo primeiro por muito pouco.

Na terceira fase Wiggolly Dantas e Joel Parkinson disputaram o primeiro lugar na segunda bateria do desse com notas muito altas. Dantas parecia estar em vantagem mas Joel deu um longo tubo e recebeu a nota de 9.33, que no fim fez a diferença a seu favor.

O heat seguinte foi o mais polémico do dia. Jadson André tinha Julian Wilson como adversário e desde o início parecia estar mais forte que o australiano. Na primeira troca de ondas Jadson surfou com projecção e agressividade enquanto que Julian encaixou uma manobra numa secção mais crítica e outras não tanto para receber 8.5 contra 7.67, notaa que pareceram sair trocadas. O brasileiro acabou por virar o resultado a meio da bateria mas no fim era Julian quem tinha a prioridade e ainda conseguiu apanhar uma onda perto do toque. Nessa onda Wilson deu duas manobras fortes e duas não tão impressionantes e não parecia ter feito o requisito de 6.41. A nota saiu minutos mais tarde apenas, quando os dois já estavam fora da água e todos com quem “Jaddy” se cruzou davam-lhe os parabéns pela vitória. A nota acabou por ser favorável ao seu adversário, que recebeu 6.47 e avançou. Jadson chorou a derrota, sabendo que poderá não ter sido muito justa e que poderá comprometer seriamente as suas hipóteses de se manter no tour. Mesmo tendo abordado os júris o resultado estava dado, e não mudou.

Pouco depois Michel Bourez fez a melhor nota da prova até aí, um 9.7 conseguido com duas batidas incríveis de backside e um reentry abusado. O heat mais esperado do dia foi o de Frederico Morais contra John John Florence. O português tem estado com um backside fortíssimo e era um forte candidato a avançar para o round seguinte. Mas Florence abriu a sua prestação com uma esquerda com várias manobras fortes e pontuou 8.5. “Kikas” respondeu com várias batidas fortes mas o havaiano foi aumentando o seu back up e no fim ficou a precisar de uma nota de 9.34, sendo assim eliminado.

Quem também foi eliminado, no heat seguinte, foi o número 2 do tour, Gabriel Medina. O ex-campeão mundial tinha como adversário um muito inspirado Jeremy Flores, que foi crescendo ao longo do heat. Medina apanhou, mais uma vez, muitas ondas mas a seu requisito era cada vez maior e no fim acabou por não conseguir dar a volta ao resultado. Com esta derrota John John mantém hipóteses de se sagrar campeão mundial ainda em Peniche.

E com o fim do round 3, terminou um excelente dia de prova no MEO Rip Curl Pro Portugal! Acompanha o próximo dia de prova em directo AQUI!

Comentários

Os comentários estão fechados.