Pelo segundo ano consecutivo a Costa da Caparica abriu a Liga MOCHE, e a grande novidade de 2014 foram as ondas. Ao longo da semana muitos dos melhores competidores da Liga fizeram a “peregrinação” à Margem Sul, confirmando que a praia do CDS estava com bons fundos e que, na maré certa, até apresentava excelentes ondas.

Os “tops do costume” estavam presentes para esta prova e rapidamente mostraram a sua superioridade. A eles juntaram-se alguns nomes que se encontravam fora do top apenas pelo facto de não terem competido no circuito todo em 2013 mas que prometiam “baralhar” um pouco a ordem natural do seeding. Mas nem por isso os top16 se atrapalharam e todos, sem excepção, avançaram para a fase seguinte.

Vasco Ribeiro encontrava-se no heat 4 e foi o primeiro a mostrar tanto surf como estratégia acima da média. As ondas quebravam com meio metro e sets ligeiramente maiores, com o pico de esquerdas à frente do palanque a funcionar com mais consistência. Na outra ponta da praia quebravam algumas direitas com menos regularidade mas muito potencial para encaixar mais manobras em secções com mais parede. Ribeiro garantiu algumas pontuações nas esquerdas e com o heat praticamente garantido não teve problemas em arriscar nas direitas, onde mostrou o surf mais rápido de todo o campeonato. Vários surfistas tentaram a mesma “façanha” nos heats seguintes, mas nenhum com o mesmo sucesso.

Apesar da boa formação muitos surfistas encontraram dificuldades na falta de força das ondas, que prejudicava os mais pesados. Joackim Guichard não é dos mais leves do circuito mas isso não foi impedimento para ser um dos maiores destaques do dia. Guichard mostrou estar em grande forma e soube escolher bem as ondas, sendo leve quando tinha de ser e muito pesado nas fortes e consecutivas rasgadas, vencendo assim um heat de notas altas.

Logo de seguida mais dois surfistas fora do top surpreendiam os seus adversários. Justin Mujica, de volta depois do ano mais “parado” desde que chegou ao circuito, mesmo queixando-se de uma lesão nas costas mostrou o mesmo surf progressivo que introduziu no circuito no fim dos anos 90, vencendo com facilidade.

Já o campeão em título da Liga MOCHE, Frederico Morais, manteve o ritmo de 2013, com fortes pauladões verticais que lhe garantiram a passagem para o fase seguinte sem dificuldades. No mesmo heat estava ainda Gony Zubizarreta que mesmo não surfando tão “vert” transitou de secção em secção com boas manobras e, graças a esse aproveitamento de onda fora de série, venceu a bateria.

À medida que a maré ia enchendo as ondas iam-se tornando mais difíceis de surfar, com secções mais rápidas e algum backwash. Mesmo assim o nível de surf manteve-se altíssimo. Nicolau Von Rupp não estava a competir nas condições que mais o beneficiam, mas nem por isso deixou de tentar algumas das manobras mais arriscadas do dia. Uma delas custou-lhe uma prancha, outras deram-lhe uma média altíssima e uma vitória folgada.

Outra surpresa neste dia foi o excelente surf de Edgar Nozes que, mesmo não tendo apanhado ondas boas, passou o heat com potentes manobras isoladas. Já David Raimundo soube escolher muito bem as esquerdas, nesta fase cada vez mais escassas e curtas, para encaixar mais manobras que os seus adversários, passando em primeiro lugar para o segundo round.

Com a vitória de Zé Ferreira terminou esta fase e o dia de prova, ficando toda a prova feminina e a masculina a partir do round 2 adiada para o dia seguinte.

Acompanha esta prova em directo a partir das 9 horas AQUI!

Comentários

Os comentários estão fechados.