Kanoa Igarashi vence QS6000 no Brasil e garante-se no CT em 2017

publicado há 3 meses por 0

Foi com blow tails destes que Kanoa Igarashi garantiu a vitória neste QS6000, a requalificação para o CT em 2017 e a liderança do QS.
Foi com blow tails destes que Kanoa Igarashi garantiu a vitória neste QS6000, a requalificação para o CT em 2017 e a liderança do QS.

E Frederico Morais sobe 10 posições depois do seu brilhante 5º Lugar e é, neste momento, 28º do ranking QS!

Depois um longo dia de competição ontem, no qual assistimos orgulhosamente a Frederico Morias conquistar um mais do que merecido quinto lugar, o Hang Loose Pro Contest 30 Anos só tinha três heats por realizar neste último dia.

Dois dos mais recentes nomes do surf mundial, Kanoa Igarashi e Griffin Colapinto, compunham a primeira meia-final, e o americano mais português de todos (se sempre apelidámos Gony Zubizarreta como o espanhol mais português parece-nos que o mesmo “título” encaixa na perfeição a Igarashi), marcou a diferença com um 8.17, o que automaticamente lhe garantiu um lugar na final e um salto muito importante no ranking QS…

Griffin Colapinto é um daqueles nomes que todos sabemos que irá estar no CT nos próximos anos. Este 3º lugar só o ajuda a provar ainda mais.

Griffin Colapinto é um daqueles nomes que todos sabemos que irá estar no CT nos próximos anos. Este 3º lugar só o ajuda a provar ainda mais. | Photo by WSL | Morigo

De relembrar que Igarashi competiu na elite pela primeira vez este ano e que, antes da última etapa ocupa a 24ª posição. Isto signifca que, com apenas a etapa de Pipeline para terminar o CT 2016, Igarashi está no limbo da requalificação por esta via, por isso nada melhor do que ter um plano B e garantir a requalificação via QS. Se ao atingir a final no Hang Loose Contest Pro este objecitvo estava cumprido, uma vitória garantiria-lhe ainda a liderança do QS.

Na segunda meia-final dois surfistas batalhavam também pelos pontos extras de atingir a final, e ambos necessitavam de tal para ajudar à sua qualificação (ou requalificação no caso de um deles) para o CT 2017. Eram eles Deivid Silva e o CTista Jadson André! Foi um heat renhido mas a nota de 7 pontos garantiu a final a Jadson e um salto de gigante do ranking QS.

Apesar de ter perdido, Deivid Silva é agora 11º do ranking QS, ou seja, está a uma posição de se garantir no CT em 2017. Será mais um surfista a ter em conta durante os dois QS10.000 no Hawaii!

Jadson André encontra-se logo atrás de Igarashi no ranking do CT (25º) mas no QS encontrava-se numa situação muito pior que a do americano por isso uma vitória seria de grande importante para o brasileiro. Grande mas não extrema pois Jadson ainda está a contar com um zero pontos nas etapas que contam para o ranking final do QS. Além disso, a sua etapa mais baixa é de 600 pontos, ou seja, com duas etapas QS10.000 a faltar para o fim do ano, Jadson necessita que muita coisa lhe corra mal para não conseguir a requalificação via QS para o CT 2017. À parte disso, um bom resultado em Pipeline poderá garantir-lhe a requalificação via CT.

Jadson André, com este resultado, está praticamente garantido no CT2017 pois ainda tem uma etapa a zeros nas que contam para as contas finais. Photo by WSL | Morigo

Jadson André, com este resultado, está praticamente garantido no CT2017 pois ainda tem uma etapa a zeros nas que contam para as contas finais. Photo by WSL | Morigo

A final foi então uma batalha renhida pois a diferença de 1500 pontos do primeiro para o segundo lugar faria a diferença, principalmente para Jadson. Mas o jovem americano, que tinha vindo a embelezar o mundo com o seu surf, acabou por dominar e deixou Jadson com poucas hipóteses de resposta. O heat terminaria com Kanoa a vencer o seu segundo QS6000 este ano (o primeiro foi há cerca de dois meses em Pantin), a garantir-se no CT em 2017 e a liderar o ranking QS.

Já Jadson André deu um gigantesco salto de 36 posições no QS, estando agora em 22º lugar, ou seja, a doze posições de conseguir a requalificação.

Campeonato terminado e contas feitas, e o nosso grande Frederico Morais subiu dez posições no ranking QS estando assim em 28º lugar do mundo, ou seja, a dezoito posições de conseguir a qualificação para o CT2017.

O QS segue já para o Hawaii onde dia 12 de Novembro começa o penúltimo QS10.000 de 2016. Frederico Morais e Pedro Henrique são os surfistas nacionais confirmados, sendo que Vasco Ribeiro é o melhor português na lista de alternates (7º). Os próximos são Tomás Fernandes e Nicolau Von Rupp, 28º e 29º respectivamente.

 

Comentários