O Vans US Open of Surfing foi um “4 em 1”, uma etapa QS 10.000, CT feminino e Pro Junior Masculino e feminino. As etapas Pro Junior foram dominadas pelos havaianos, com Zoe McDougall e Barron Mamiya a terminarem na frente das suas categorias.

Já a prova do Championship Tour feminino viu o regresso de Courtney Conlogue, depois de uma lesão que a deixou fora durante praticamente todo o ano. As duas únicas etapas em que tinha participado antes desta Conlogue não tinha passado do round 2, mas na sua praia, Huntington, esteve imparável. Stephanie Gilmore chegou a esta etapa na liderança do tour e ao chegar à final preparava-se para deixar ainda mais pontos entre ela e a número 2 do ranking, Lakey Peterson, que terminou em 5º lugar. No entanto, as duas primeiras ondas da sua adversária seriam muito boas, o que garantiu a Courtney a sua primeira vitória em mais de um ano.

A prova QS acabou por ser, como seria de esperar, a mais forte do evento, com alguns momentos incríveis a acontecer ao longo dos dias. Os destaques do dia anterior foram, pela negativa, a lesão de Ítalo Ferreira, que mesmo assim eliminou Michael Rodrigues e o incrível aéreo de Seth Moniz, uma manobra que merecia seguramente uma nota 10. À final chegaram os dois surfistas mais dinâmicos da Califórnia na actualidade, Griffin Colapinto e o campeão desta prova em 2017, Kanoa Igarashi.

Colapinto foi quem abriu melhor, com duas manobras no outside e uma finalização voadora. Kanoa respondeu com uma manobra ligeiramente melhor no outside, e uma finalização muito forte mas não tão radical, recebendo uma nota de 7.6 conta o 8 de Griffin. A liderança mudou mais duas vezes e no fim o rookie do tour liderava, enquanto que Kanoa Igarashi precisava de uma nota de 7.4. Na última onda o nipónico não falhou e com uma nota de 8.17 garantiu a segunda vitória consecutiva.

Comentários