Jordy Smith e Tyler Wright vencem em Trestles

publicado há 9 meses por 0

jordy-smith-vence-em-trestles

Chegou ao fim uma das etapas mais esperadas do ano, o Hurley Pro Trestles. Para o último dia ficaram guardadas apenas 6 baterias, duas meias finais e uma final em cada uma das categorias, masculina e feminina.

Na categoria feminina a vencedora da etapa de Pantin do QS, Sage Erickson ameaçou conseguir mais um grande resultado, quando abriu a sua bateria com uma nota de 8 pontos. Mas não é à toa que Sage ocupa o 9º posição e a sua adversária, Tyler Wright a 1º. Ao fim da sua terceira onda Tyler estava na liderança e acabou por garantir um lugar na final.

Na outra meia final estava a surfista mais em forma do evento, Stephanie Gilmore, que mais uma vez fez os melhores carves da divisão feminina e bateu Nikki Van Dijk com um par de notas de 9 pontos.

A final foi dominada por Tyler Wright de ponta a ponta, apesar de Gilmore ter feito a melhor onda no fim. Mas seria pouco e tarde e Wright aproveitou para continuar a aumentar a distância entre si e Courtney Conlogue e resto do “pelotão”.

Entre os homens o grande favorito era Filipe Toledo, que abriu o heat com um aéreo quase full rotation num close out. Este campeonato parecia ser o seu comeback, depois da excelente campanha de 2015 e da lesão no início do ano e poderia perfeitamente ter sido caso Jordy Smith não estivesse no seu melhor. O sul africano tem tido poucos momentos como este mas o que é certo é que quando está ON, ninguém o consegue parar. Nem sequer o “wonderboy” Toledo que, apesar de ter começado forte, acabou a precisar de mais uma onda excelente e foi eliminado.

Tanner Gudauskas fez um bom heat contra Joel Parkinson, mas o ex-campeão do mundo provou que ainda tem grandes resultados para fazer. As suas melhores ondas abriram mais que as do local e no fim foi isso que fez a diferença.

No início da sua carreira Jordy Smith era muito comparado a Joel Parkinson devido à semelhança entre os dois no estilo de surf. Os anos passaram e as semelhanças desapareceram e apesar de não ter a linha de Parko tem um surf muito poderoso e radical que impôs nesta prova heat após heat. A final foi um heat muito parado no início e com muitas ondas fortes no fim mas as curvas de Smith foram melhores que as de Parkinson, o que lhe garantiu a vitória.

Comentários