O Hawaiian Pro tinha muitos “pretendentes” à vitória mas no fim foram dois nomes surpreendentes que dominaram a prova. Esta que era a penúltima prova do circuito QS oferecia 10.000 pontos no ranking, o que poderia mudar a direcção das carreiras de todos os que se dessem bem nesta prova.

A um dia do fim já vários surfistas tinham consolidado as suas presenças no top20 mas foi um nome foram do top50, Mateus Herdy, que estava mais “iluminado” que qualquer outro surfista no dia final. Com grandes carves e grande aéreos Herdy, que é sobrinho de um ex-top do Championship Tour, Guilherme Herdy, parecia intocável e tratou de vencer as suas baterias dos quartos e meias finais com notas altas. Há cerca de um ano este surfista largou a marca que o patrocinava desde grom para fazer parte de duas equipas que, por norma, só apostam em atletas com muito potencial, Red Bull e Quiksilver. Ao longo da temporada ficou bem visível que a qualquer momento Mateus iria dar um “salto” a nível competitivo e aconteceu precisamente na prova de Haleiwa.

A ele juntaram-se mais um brasileiro, Deivid Silva, um aussie, Joel Parkinson e um neozelandês, Ricardo Christie. Como já se esperava, Herdy abriu com uma onda muito forte e confirmou o seu favoritismo. No entanto todos os competidores fizeram uma onda de 8 pontos, excepto Parkinson, que apanhou a onda mais limpa de todo o heat e com secções mais verticais fez um 9.33, que no fim faria a diferença e lhe oferecia a vitória. Este será o último Hawaiian Pro do ex-campeão do mundo que fecha assim este ciclo com uma vitória e a liderança na Triple Crown of Surfing. Mateus Herdy foi segundo classificado, Ricardo Christie 3º e Deivid Silva 4º.

 

Comentários