Chegou ao fim uma das maiores “pérolas” do circuito de qualificação da WSL, o Azores Airlines Pro presented by Sumol.

No penúltimo dia de prova ainda estavam na disputa quatro surfistas portuguesas, todas no round 2 da categoria feminina. A wildcard local, Tania Oliveira, acabou eliminada no seu heat de estreia mas as suas adversárias, Brisa Hennessy e Pauline Ado, acabariam por avançar até às fases finais e neste heat as duas surfaram acima da média, deixando Tania e a Chilena, Lorena Fica, eliminadas.

Já Camilla Kemp estava em grande forma e venceu um heat bastante internacional com as suas duas primeiras ondas, uma delas de 7.33 pontos.

Carol Henrique “atacou” cedo no seu heat contra Teresa Bonvalot, Leilani McGonangle e Ainara Aymat. Carol, com um backside bem “sharp” fez vários snaps fortíssimos e garantiu a vitória. Teresa passou muito tempo à espera e não conseguiu capitalizar na espera, passando grande parte da bateria em terceiro lugar com Leilani em segundo. Só no último minuto é que Bonvalot conseguiu mostrar o seu melhor surf com três rasgadas fortes numa esquerda, que lhe deram o segundo lugar. Infelizmente para ela na onda de trás vinha McGonagle, que fez dois snaps pouco controlados mas que, segundo os júris, deram para melhorar o seu back up e eliminar a portuguesa.

No round 3 Camilla Kemp brilhou novamente, vencendo um heat muito forte, contra as havaianas Brisa Hennessy e Summer Macedo e a japonesa Nagisa Tashiro. Carol Henrique acabou eliminada no heat seguinte, que tinha a eventual campeã, Justine, Duponte, Claire Bevilacqua, que venceu 2 duas últimas 4 etapas do circuito, e ainda Baily Nagy como adversárias. Claire e Justine dominaram o heat mas Carol, mesmo eliminada, mostrou estar com um nível muito próximo das suas adversárias.

Na fase man-on-man, os quartos de final, Camilla acabava por perder por pouco para Pauline Ado mas provou mais uma vez que tem potencial para dar cartas neste circuito.

Na categoria masculina Ezekiel Lau e Leonardo Fioravanti tinham sido dois dos maiores da prova desde o início e encontraram-se nas meias finais man-on-man. Ambos fazem parte da mesma equipa e têm o mesmo treinador, Jake Patterson, o que deve ter dividido o “Campo Snaketales“. Na água foram protagonistas de um dos melhores heats do dia, com manobras explosivas em ondas de metro e meio. No fim o estilo “Andy Ironsnesco” de Ezekiel falou mais alto e o havaiano garantiu a presença na final.

Do outro lado do “draw” vinha o surpreendente Ian Gouveia, que “descartou” Yago Dora nos quartos de final e Michael February nas meias. O filho de Fabio Gouveia, que foi o primeiro top5 brasileiro da Championship Tour, é a prova que a qualquer momento qualquer surfista do top100 pode entrar na disputa pela entrada no CT. Antes da etapa anterior Ian estava em 70º no ranking e depois de uma final em Pantin e deste resultado nos Açores entrou para o top16 e parece ter todo o “momentum” do mundo.

A final foi uma batalha dos back ups pois tanto Ian como Lau tinham uma onda na casa dos 7 pontos a contar. Gouveia conseguiu uma nota de 4.93, deixando Ezekiel a precisar de 5.21, algo que não conseguiu produzir e o brasileiro sagrou-se campeão pela primeira vez na sua carreira!

O tour segue agora para Marrocos e depois para o Cascais Billabong Pro, uma etapa de 10.000 pontos que se realiza entre 24 de Setembro e 2 de Outubro.

Comentários

Os comentários estão fechados.