Depois de um curto segundo dia de competição, o terceiro do Allianz Figueira Pro começou cedo e com boas ondas.

A prova começou com uma bateria em que se falava mais com sotaque brasileiro pois defrontava Pedro Henrique, Eduardo Fernandes e Sidney Guimarães, três surfistas que cresceram no Brasil, e ainda o representante de Peniche, Guilherme Fonseca. Mesmo com boas ondas a rondar um metro, com direitas longas e esquerdas com algumas secções boas mas um pouco menos potencial, as médias foram baixas e no fim Eduardo e Guilherme seguiam para a fase seguinte.

O terceiro heat da mesma fase era um dos mais disputados com o líder do circuito, Tomás Fernandes, e ainda os destaques Filipe Jervis e Miguel Blanco, e o júnior Guilherme Ribeiro, todos à procura de vagas nos quartos de final. Blanco dominou a bateria, seguido de Ribeiro, que assim garantiu, com muito mérito, o seu melhor resultado de sempre na Liga. A bateria seguinte teve mais uma surpresa, a qualificação de outro júnior, Afonso Candeias, em segundo lugar atrás de Marlon Lipke, deixando o local Ivo Cação, e ainda João Moreira, pelo caminho.

Os primeiros três heats dos quartos de final foram muito disputados. No primeiro Eduardo Fernandes quase virou o resultado na sua última onda mas acabou 0.3 pontos abaixo do requisito e foi Vasco Ribeiro quem seguiu para as meias finais. Guilherme Fonseca e Gony Zubizarreta abriram a sua disputa com ondas de 7.25 e 7.35 pontos respectivamente mas foi o galego que conseguiu fazer o melhor back up e eliminou um fortíssimo Fonseca. A bateria seguinte foi mais parada a nível de ondas e Afonso Candeias mostrou um backside bem afiado e potencial de eliminar o campeão nacional em título, Miguel Blanco. Mas faltou-lhe uma segunda onda forte e Miguel mostrou que está num ritmo competitivo muito elevado, acabando por avançar com alguma margem. Para terminar a fase Guilherme Ribeiro tinha como adversário Marlon Lipke e foi o algarvio quem esteve mais inspirado, pontuando alto em duas direitas com grandes snaps e batidas verticais. O heat poderia ter sido mais equilibrado caso a parede da primeira onda de Guilherme não o tivesse “traído” numa rasgada mas, mesmo assim, tanto este surfista da Caparica como Afonso Candeia foram as grandes revelações da prova masculina.

Gony Zubizarreta e Vasco Ribeiro já se tinham encontrado várias vezes em fases avançadas da prova, e apesar do surfista de São João do Estoril levar a vantagem nas vitórias, desta vez Zubizarreta foi superior e seguiu para mais uma final. O heat seguinte teve poucas ondas surfadas e foi Miguel Blanco quem acabou na frente, garantindo a liderança do circuito ao bater Marlon Lipke.

Na prova feminina tanto Mafalda Lopes como Matilde Passarinho mostraram muito bom surf para chegar às meias finais, mas não conseguiram acompanhar o ritmo de Yolanda Hopkins e Teresa Bonvalot, que se encontraram mais uma vez na final. Desta vez a vitória ficou nas mãos da algarvia Yolanda, que surfou muito bem nas direitas e conseguiu vingar algumas das derrotas que sofreu perante Teresa.

Miguel Blanco tem sido um dos mais competitivos surfistas da Liga MEO Surf mas nesta final teve que se contentar com um segundo lugar. Isto porque Gony Zubizarreta estava imparável, pontuando com facilidade nas longas direitas do Cabedelo para levar mais uma taça para casa.

O circuito segue agora para o Norte do país, para o Renault Porto Pro, que se realiza entre 17 e 10 de Maio.

 

Comentários