Meses depois da primeira etapa a contar para o ranking do Championship Tour da WSL terminar, a segunda prova, o Rip Curl Newcastle Cup, arrancou logo no primeiro dia do período de espera.

A expectativa era alta para o regresso da tour mas as ondas do round 1 apenas rondavam o meio metro, com pouco vento mas sem grande formação. Mesmo assim viu-se bom surf logo no primeiro heat, em que Deivid Silva se mostrou em casa e pontuou um par de notas de 5 pontos para deixar Kanoa Igarashi em segundo e Conner Coffin um pouco mais atrás, em terceiro. Filipe Toledo começou bem o heat seguinte, disputando o inicialmente a liderança com Jadson André. Inicialmente parecia que o rookie Morgan Cibilic estava a iniciar o que seria um ano muito difícil até que o australiano descobriu algumas secções boas e acabou em 2º lugar, a apenas 0.3 de Toledo. Mas foi quando John John Florence entrou na água que se começou a ver as notas a crescer, dominando o seu heat de ponta a ponta, com Yago Dora a voar alto para garantir o segundo lugar e Mikey Wright em terceiro.

Frederico Morais estreou-se no heat seguinte, contra o sul africano Jordy Smith, e o wildcard australiano e ex-top do CT, Matt Banting. Jordy foi o primeiro a fazer ondas, logo no início do heat, mas foi o português quem conseguiu a melhor primeira nota, apesar de ter sido apenas um 3.33. Mas a partir daí foi sempre a crescer e logo de seguida Kikas descobriu mais uma direita, agora com melhores secções, para encaixar várias manobras fortes e conseguir a nota de 5.33 pontos e a liderança. Smith esperou bastante tempo para voltar a fazer uma onda mas aproveitou bem a seguinte, com algumas curvas de rail e uma boa finalização para voltar ao heat com uma nota de 4.57 pontos enquanto que Morais respondeu com uma onda de 4.9 pontos e logo de seguida aproveitou um deslize de Banting, que perdeu a prioridade, para fazer a sua melhor onda até aí e receber 5.6 para aumentar a sua liderança. A 3 minutos do fim Frederico liderava e ocupava a prioridade, enquanto que Banting precisava de 5 pontos para primeiro e Jordy 5.7 para segundo. Mostrando a sua incrível forma e competitividade, usando a prioridade numa onda muito boa, morais onde arriscou mais que nas ondas anteriores para fazer a melhor nota do heat e 6.67 pontos, garantindo assim mais uma vitória no Championship Tour e uma vaga no round 3.

Também Ítalo Ferreira se destacou, surfando um número absurdo de ondas, 17, para bater o wildcard Jackson Baker e wonderboy do Oeste da Austrália, Jack Robinson, que neste mar não conseguiu mostrar a mesma habilidade que em ondas de consequência. Mas o homem do dia foi Ryan Callinan, que com duas notas de 7 pontos deixou um inspirado Griffin Colapinto em segundo, e Leonardo Fioravanti em terceiro.

 

Comentários