Depois de uma paragem cedo no dia 3 do EDP Billabong Pro Ericeira, o seguinte, para compensar, estaria na água antes das 8 horas da manhã com boas condições até um metro e meio.

A primeira onda da prova foi surfada por Samuel Pupo, o irmão do actual 2º do ranking QS, que parecia não estar a acreditar na quantidade de secções que a onda lhe proporcionou. O resultado foi uma nota de 8.5 pontos e, mesmo tendo pecado na escolha das ondas seguintes, conseguiu vencer  heat seguido de Patrick Gudauskas.

Frederico Morais tinha como adversários Chris Zaffis, Keanu Asing e Peterson Crisanto na bateria seguinte. O português foi o primeiro a “disparar”, numa onda que parecia muito cheia no arranque mas que abriu bastante, permitindo uma série de manobras fortes que lhe valeram uma nota de 6.5 pontos. Crisanto, que durante muitos anos foi companheiro de equipa de Frederico, esperou muito por uma onda e, depois de a encher de manobras pouco expressivas no outside, terminou com vários reentries fortes, para receber a melhor nota do confronto até aí, 7.50 pontos. Logo de seguida Zaffis fez a sua segunda nota sólida para passar para a frente, com Peterson em segundo e Frederico em terceiro a precisar de uma nota baixa.

Morais usou a sua prioridade a 12 minutos do fim, numa onda mais curta mas que lhe permitiu três boas rasgadas e uma finalização forte para receber 6.87 pontos e passar directamente para primeiro lugar. Várias ondas foram surfadas perto do fim, o que permitiu a Peterson subir para segundo lugar, mas foi temporário pois Chris Zaffis usou bem a sua prioridade para passar para primeiro, com Morais a avançar em segundo lugar, deixando Crisanto em terceiro e Asing em quarto.

Com a qualificação para o round de 24, Frederico Morais garante pelo menos 2.200 pontos, eliminando assim a sua pontuação mais baixa, 650 pontos, mas terá que continuar a avançar se quiser já ficar com um pé no Championship Tour de 2020!

Acompanha a evolução desta prova em directo AQUI!

 

Comentários