Depois de dois dias de prova chegou a vez dos cabeças de série se estrearam, no round 3 do Vans World Cup. As ondas rondavam os dois metros e meio, com alguns sets maiores mas, na maior parte dos heats, a escolha de ondas era quase tão importante como o nível de surf.

Em prova estava, no heat 5 desta fase, Frederico Morais, que tinha como adversários Tomas Hermes, Bino Lopes e Logan Bediamol. Foi uma bateria de notas baixas, tal como as anteriores, em que a grande disputa era por secções que permitissem fazer duas ou três curvas de rail antes da onda desaparecer.

Morais atacou bem a sua quarta onda e com dois carves fez a nota de 4.5, que seria a melhor do heat quase até ao fim. Hermes parecia estar à caça de tubos e não foi bem sucedido enquanto que Bino foi o mais activo e mesmo no fim apanhou a melhor onda do heat e conseguiu superar Kikas com uma nota de 4.7 pontos.

O português ainda fez mais uma onda com uma manobra arriscada no inside, mas não conseguiu completar bem a manobra e não melhorou a nota. Isso deixou-o numa posição frágil e nos segundos finais Logan fez uma onda com uma rasgada forte que o deixou apenas 0.2 abaixo do seu requisito. Entretanto a bateria chegou ao fim com Lopes e Morais a garantirem vagas no round 4.

Vasco Ribeiro estava no heat 11 desta fase, contra o havaiano Sebastian Zietz e os brasileiros Yago Dora e Michael Rodrigues. Aí as ondas já tinham limpado um pouco, com o vento on-shore a rodar para off-shore. Nos primeiros 7 minutos apenas uma onda foi surfada, de 0.5 pontos.

Vasco foi o primeiro a fazer uma onda boa, com duas rasgadas, não conseguindo melhor que 2-5 por ser um pouco pequena. Na onda seguinte Zietz fez um grande tubo e um snap layback para pontuar 9.4, e Ribeiro atacou novamente fazendo alguns carves para conseguir uma nota sólida de 7 pontos.

Pouco depois o surfista da Poça tentava melhorar o seu 2.5 e com um snap e um floater que não conseguiu concretizar passou para a frente com uma nota de 5.33. Sebastian precisava de menos de 3 pontos para voltar ao primeiro lugar e na onda seguinte fê-lo com facilidade, deixando Vasco a precisar 8.58 para primeiro enquanto que a dupla brasileira precisava de combinações para lhe roubar o segundo lugar.

Michael Rodrigues precisava desesperadamente de passar esta bateria para se manter na qualificação para o CT de 2018 e com uma onda com várias rasgadas saiu da combinação, tal como Yago Dora com algumas manobras fortes. Ribeiro ficou perto de melhorar a sua situação mas caiu no inside mas, no final, nada mudou e mais um luso passou para o round 4!

Acompanha a evolução desta prova em directo AQUI!

Comentários