E chegamos agora ao último eleito para o MOCHE Capítulo perfeito presented by Rip Curl da categoria de “Competidores” assim como de toda a votação. Foram 14 mini-entrevistas mas depois desta, a 14ª, ainda terás mais duas, as dos dois wildcards.

Mas antes dessas, ainda tens muito para ler sobre o que o júnior Francisco Alves tem a dizer sobre o MOCHE Capítulo Perfeito em resposta às perguntas que lhe fizemos, tal e qual como leste nas mini-entrevistas dos anteriores eleitos.

Dentro dos surfistas da sua geração, Francisco Alves pode ser considerado um “late bloomer” pois foi um dos que mais demorou a dar o salto para o nível onde hoje se encontra. Há cerca de três anos, Alves já surfava muito bem mas havia uma diferença significativa do seu nível comparado ao de Frederico Morais, Filipe Jervis, Zé Ferreira ou Vasco Ribeiro, entre outros.

Ainda nessa altura, Alves tinha uma dificuldade extrema em concentrar-se nos heats, cometendo muitas vezes erros básicos. O surfista da Costa da Caparica precisava de amadurecer o seu surf e a sua mente. E foi isso que aconteceu, coincidentemente ou não, quando se juntou ao grupo Surftechnique para treinar.

Quase de um dia para o outro, Francisco Alves elevou o nível do seu surf para o patamar dos grandes nomes da sua geração, e o que parece mais “grave” é que esta evolução exponencial parece continuar a acontecer de uma forma “assustadora”. Se essa evolução não parar, e esperemos que não, Alves arrisca-se a ter um futuro no surf mundial que muito provavelmente ambicionava há três anos atrás mas que nessa altura parecia uma realidade difícil de atingir.

Hoje o seu surf, seja de backside ou de frontside, tem todas as bases obrigatórias cimentadas da forma perfeita desde o power e passando pela linha de surf, estilo, verticalidade, rail e terminando no surf high performance. É impressionante como conseguiu elevar o seu surf de rail ao mesmo tempo que o fazia com o surf aéreo, algo que não é fácil de fazer (trabalhar as duas vertentes ao mesmo tempo conseguindo resultados tão imediatos em ambas).

Em 2011 recebeu um convite para o WCT em Supertubos, o Rip Curl Pro, e apesar de ter tido uma boa prestação (mas não a suficiente para passar do round 2) mostrou algum nervosismo cometendo erros normais para quem pela primeira vez na vida tem milhares de pessoas a gritar por si de cada vez que rema para uma onda e para quem tem como adversário um nome como Taj Burrow (no seu heat do round 2). Alves deu alguns bons tubos bons mas no entanto pecou por não ficar bem dentro deles e por a certa altura do seu heat do round 1 começar a dar manobras num mar onde tubos eram indescituvelmente a manobra obrigatória.

Mas passaram-se dois anos, e entre horas e horas de surf em Supertubos, um amadurecimento mental inacrditável – o que se traduz em poucos ou raros erros a competir -, todo o seu surf evoluiu “estupidamente”, como atrás dissemos, e dentro das vertentes faladas está ainda outra: a sua técnica nos tubos. Mais uma vez, seja de backside ou frontside, Alves é hoje um dos melhores tube riders da sua geração e por isto, e por tudo o que foi dito acima, será um dos mais perigososo surfistas, para os seus adversários, do MOCHE Capítulo Perfeito.

Aqui fica a sua mini-entrevista sobre o MOCHE Capítulo Perfeito presented by Rip Curl.

O que significa para ti ser eleito para o Moche Capítulo Perfeito? Fiquei realmente muito contente e agora espero dar um bom espectáculo. Desde já muito obrigado a todos os que votaram em mim.

O que pensas deste tipo de formato? Não sei… é diferente mas gosto! Penso que é um campeonato como todos os outros mas neste já sabemos que vão haver boas ondas mas que nunca sabemos quando e então é sempre uma ansiedade enorme ficar à espera do dia!

Fizeste algum tipo de campanha? Fiz a normal, meti na minha página de atleta do Facebook para votarem nos que acham que devem votar e como é óbvio a minha família também fez a sua campanha por mim.

Quem foi, para ti, a maior surpresa na lista final dos surfistas eleitos? Ninguém, acho que ali não tem que haver surpresas… Todos os nomes estão ali para serem votados por isso qualquer um pode entrar.

Achas que há algum nome que deveria ser obrigatório estar presente e não está? Acho que todos os que estão ali deviam entrar, neste caso fui mais beneficiado em relação aos votos do que por exemplo na minha categoria o Ruben, o Filipe (Jervis), o Zé (Ferreira) o Miguel (Blanco) mas acho que todos eles deviam entrar. São excelentes surfista que merecem tanto como eu entrar neste evento. Tenho pena que eles não entrem pois sei perfeitamente que dão todos altos tubos e que adoram ondas maiores também! Especialmente o Ruben, que adora apanhar umas de 6 metros ahah.

Amanhã, e antes das mini-entrevitas aos dois wildcards, Guilherme Fonseca e Tiago Pires, iremos publicar a mini-entrevista a Ivo Cação, o último eleito na categorais de “Free Surfers”, isto pois se bem te lembras, até ao dia em que a sua entrevista era suposto estar online o Ivo não tinha conseguido responder às nossas perguntas. Como dissemos, íamos continauar a tentar e foi o que fizemos. Entretanto o Ivo respondeu-nos e por isss mesmo é essa mini-entrevista que poderás ler amanhã aqui no site da ONFIRE.

(Vídeo de Francisco Alves sobre MOCHE Capítulo Perfeito)

YouTube Preview Image

 

Comentários

Os comentários estão fechados.