Eduardo e Teresa são os grandes vencedores do Allianz Sintra Pro

publicado há 2 anos por 1

ALLIANZ-SINTRA-PRO-EDUARDO-FERNANDES-E-TERESA-BONVALOT

Praia Grande não recebia uma etapa da Liga MOCHE desde 2011 e, curiosamente, o Allianz Sintra Pro lembrou os resultados dessa época. Foi nesse ano que a nova geração começou um domínio do circuito que acontece até hoje mas, na altura, surfistas como João Guedes e Eduardo Fernandes eram presenças muito regulares nas fases finais.

João e Eduardo tinham ficado em 2º e 3º em 2011 e desta vez até melhoraram uma das suas posições. O primeiro dos dois a competir neste terceiro dia de prova foi Guedes, no heat 2 dos quartos de final. O seu adversário era o surfista mais em forma do evento, Frederico Morais, que precisava de vencer dois heats para se sagrar campeão da Liga e apenas um para vencer a Triple Crown. Poucos surfistas abaixo do Rio Douro teriam apostado numa vitória de João Guedes, mas o ex-campeão nacional não se rendeu ao estatuto e forma de Frederico. João abriu o heat com um onda que seria um bom back up e pouco depois fez uma direita que era muito rápida mas deu para encaixar uma forte batida e um snap no lip. Em vez de marca o seu adversário o surfista do Porto optou por tentar melhorar a sua segunda nota nas esquerdas enquanto que Frederico escolheu as direitas para virar o heat. Ficou-lhe a faltar uma onda com parede e apenas conseguiu baixar o seu requisito, que no final era menos de 6 pontos. Só no fim é que Guedes foi “tomar conta” do seu adversário e conseguiu fazê-lo com sucesso, adiando assim a disputa pelo título e custando ao seu adversário o prémio de 4.350 euros oferecido pela Allianz ao vencedor da Triple Crown que passou para Tiago Pires.

Depois foi a batalha dos Fernandes, Tomás vs Eduardo. Ambos surfaram muito bem mas Eduardo marcou a diferença com uma onda de 8 pontos em que deu uma forte batida, um snap e um floater numa secção bem buracosa. Tomás respondeu com uma onda muito forte também, onde se soltou bem na junção mas, no final, o veterano acabava 0.15 à sua frente e vencia a disputa.

Vasco Ribeiro, no último heat da fase, mantinha-se de olho no 4º título da Liga, mas precisava de vencer na Praia Grande e em Cascais. Este objectivo ficou fora do seu alcance graças ao backside afiado de Marlon Lipke, que tinha estado fortíssimo durante toda a etapa e deu-lhe mais uma vitória nesta fase.

Depois das meias finais femininas, em que se qualificaram para a final Camilla Kemp, Leonor Fragoso, Teresa Bonvalot e Carina Duarte, Nicolau Von Rupp e João Guedes abriam as meias finais com mais uma grande disputa. Nic tinha batido Zé Ferreira nos quartos de final e passou grande parte do heat a correr atrás da qualificação. Ambos apostaram mais nas direitas e no foi o local quem avançou, deixando João Guedes a precisar de muito pouco.

Marlon Lipke era o favorito para passar a segunda meia final, mas Eduardo Fernandes não se deixou influenciar pelo estatuto do seu adversário. Foi mais uma disputa equilibrada e a maior parte das notas altas, na casa dos 6 pontos, eram feitas com ondas de uma manobra forte e uma finalização. Quando Fernandes apanhou uma esquerda com duas secções boas não perdeu a oportunidade, surfando-a na perfeição e recebendo 8 pontos. Com essa onda passou para a frente e deixou Marlon a precisar também de 8 pontos, o que acabou por ser uma pontuação muito alta para as ondas que apareceram.

A final feminina foi liderada em grande parte por Carina Duarte, que parecia estar a caminho da sua segunda vitória consecutiva. Até que Teresa Bonvalot apanhou uma direita de set que, mesmo fechando, deu para dar uma fortíssima batida de backside. Com o 6.5 que recebeu passou para a frente, deixando Carina a precisar de uma nota parecida. Em cima do toque a surfista da Ericeira apanhou uma onda e na primeira secção fez um snap de backside bem definido. Mas para seu azar a onda ficou sem força e as manobras seguintes não foram expressivas. Teresa foi a grande vencedora seguida de Carina (2º lugar), Camilla Kemp (3º lugar) e Leonor Fragoso (4º lugar).

A final masculina foi mais um confronto goofy vs goofy, luso-germânico vs luso-brasileiro. A maré não era a melhor e foram poucas as ondas de consequência. Cada um dos dois fez duas ondas boas, uma na casa dos 6 pontos e outra nos 7 pontos. A minutos do fim as contas estavam a favor de Eduardo Fernandes que acabou por se sagrar no justo vencedor. Foi a terceira vitória deste surfista na Liga e a primeira em quatro anos. Na entrega de prémios era visível que os outros finalistas, apesar de desiludidos por não terem vencido, não conseguiram esconder o gosto pela “justiça desportiva” para um surfista que merecia chegar mais vezes às finais mais vezes.

Contas feitas, o título da Liga MOCHE passou a ser disputado por dois surfistas, Morais e Pires. Caso o veterano do WCT não vença o título será automaticamente do surfista de Cascais, que apenas precisa de marcar presenças nas meias finais para garantir o seu segundo título neste circuito. A derradeira etapa da Liga MOCHE será o Montepio Cascais Pro, realizado em Carcavelos/Guincho entre 8 e 10 de Outubro.

Comentários

  1. SERGIO diz:

    muito bom ver surfistas a representar o Algarve Surf Clube nas finais do nacional
    bora lá malta!