Chegou ao fim a primeira etapa QS 10.000 do ano, o Ballito Pro, realizado em KwaZulu-Natal, África do Sul. As ondas estavam com fraca formação, longe do que se assistiu em 2012, ano em que as condições colocaram Ballito no mapa, mas nunca mais se viram ondas de semelhante qualidade nesta prova.

Entre a fase em que os surfistas portugueses foram eliminados e o dia final houve vários destaques, como Jordy Smith, Miguel Pupo, Barron Mamiya, Wiggolly Dantas e Ezekiel Lau. No entanto, à medida que a prova foi avançando, os surfistas em ritmo com as ondas de 2 metros e vento on-shore, foram Jack Freestone, Jorgann Couzinet, Deivid Silva e Wade Carmichael, todos a marcarem presença nas meias finais man-on-man.

À final chegou o finalista desta prova em 2018, Jack Freestone, que despachou Couzinet na primeira meia final, e o Deivid Silva, que eliminou Carmichael para assegurar a sua primeira final man-on-man numa prova de pontuação máxima. Depois de “bater na trave” no ano passado, Jack era o grande favorito mas o backside de Silva estava no seu melhor e não lhe deu qualquer hipótese. Capitalizando nas ondas de set, Deivid fez duas ondas excelentes e combinou o australiano para garantir a maior vitória das sua carreira e subir 126 posições no ranking, “aterrando” no 4º lugar do circuito QS.

 

Comentários